domingo, 4 de dezembro de 2016

As 10 principais neuropatias nos membros superiores: Anatomia e Ressonância Magnética

Embora os nervos possam ser lesados em qualquer lugar ao longo do seu percurso, a compressão nervosa periférica ocorre mais em locais específicos, como locais onde o nervo percorre túneis fibro-ósseos ou fibromusculares ou penetra nos músculos.

Tipicamente, o diagnóstico baseia-se na combinação de história clínica, exame físico e estudos eletrodiagnósticos. No entanto, estas informações podem ser insuficientes para fazer um diagnóstico preciso, e a imagem está a ser usada com frequência para confirmar diagnósticos.

A ressonância magnética (RM) e a ultrassonografia de alta resolução (US), como técnicas não-invasivas, fornecem valiosas informações espaciais ao fazer distinções diagnósticas importantes que não podem ser facilmente realizadas usando outros métodos existentes.

Embora ambos permitam a visualização anatómica direta, identificação da causa e localização de anormalidades primárias, a RM evidencia anormalidades de sinal dentro do próprio nervo e é considerada superior na delineação dos sinais indiretos associados à desnervação muscular.

A intensidade do sinal de um nervo normal na RM é de intermédia a baixa nas sequências ponderadas em T1, tornando-se ligeiramente mais alta em T2 e outras sequências sensíveis a fluidos.
Um sinal hiperintenso do músculo desnervado é geralmente associado a síndrome compressiva aguda, e a infiltração de gordura e atrofia muscular são os sinais de neuropatia crónica, em casos de longa duração.
  

Nervo supra-escapular

A compressão do nervo supraescapular, conhecida como síndrome do nervo supraescapular, pode ocorrer como resultado de trauma, ligamento escapular transverso anormal ou espessado ou compressão extrínseca por uma lesão que ocupe o seu espaço, comumente um quisto ou tumor do tecido mole.

A compressão na passagem suprascapular leva à desnervação do supra-espinhoso e do infra-espinhoso, enquanto a compressão mais distal, na passagem espinoglenoidal pode apresentar comprometimento isolado do músculo infra-espinhoso. Os pacientes podem apresentar dor difusa e desconforto na parte de trás do ombro ou na parte superior das costas, assim como fraqueza ao levantar o braço.


Nervo axilar


A síndrome do espaço quadrangular é uma condição incomum em que a artéria umeral circunflexa posterior e o nervo axilar são comprimidos dentro do espaço quadrangular. É causada por compressão dinâmica devido à abdução e rotação externa do ombro, ou por bandas fibrosas anormais, hipertrofia da musculatura adjacente ou lesões ocupantes de espaço.

As manifestações clínicas incluem dor difusa no ombro e parestesias no braço afetado numa distribuição não-dermatoma. A RM pode mostrar alteração do sinal ou atrofia do músculo redondo menor com ou sem envolvimento do músculo deltóide.


Nervo radial


O nervo radial está predisposto a lesão em vários locais:
  • No sulco espiral do úmero (síndrome do sulco espiral) acima da articulação do cotovelo,
  • Onde o nervo interósseo posterior (IP) percorre o túnel radial
  • Onde o ramo superficial do nervo radial atravessa o primeiro compartimento dorsal do punho (síndrome de Wartenberg).

A compressão do IP no túnel radial pode ter duas apresentações clínicas diferentes: síndrome do nervo interósseo posterior e síndrome do túnel radial.
Em pacientes com síndrome do IP, a apresentação clínica inclui deficits motores do grupo extensor sem perda sensorial significativa.
Pacientes com síndrome do túnel radial, por outro lado, tipicamente apresentam dor na zona lateral proximal do antebraço, que pode ter sido causada por trauma agudo e compressão de estruturas adjacentes.


Nervo cubital



A síndrome do túnel cubital é a segunda neuropatia periférica mais comum da extremidade superior. Pode ser causada por bandas fasciais anormais, subluxação ou deslocamento do nervo cubital sobre o epicôndilo mediano, trauma ou compressão direta por massas de tecidos moles.

Os sintomas clínicos incluem uma anormalidade sensorial na face cubital da mão e fraqueza do grupo de músculos flexores do carpo do 4º e 5º dedos. Os achados na RM são a ampliação e sinal hiperintenso apenas proximal ao túnel cubital, e uma mudança de calibre com achatamento distal.


Já a síndrome do canal de Guyon inclui lesões de ocupação espacial, trauma, músculos anómalos e aneurismas da artéria cubital. Pode estar associada a sintomas motores ou sensoriais, dependendo se a compressão envolve o nervo antes da bifurcação para os ramos superficial (sensorial) e profundo (motor) ou se a compressão se limita a um dos ramos.



Nervo mediano


 As neuropatias de compressão do nervo mediano incluem:

A síndrome de pronador, relativamente rara, e é produzida por compressão do nervo mediano entre as cabeças cubital e umeral do músculo do pronador.
As causas da síndrome do pronador podem relacionar ao trauma, às anormalidades congénitas, ou a hipertrofia do redondo pronador. Os achados clínicos incluem dor e dormência na face anterior do cotovelo, antebraço e punho sem fraqueza muscular.

A síndrome do nervo interósseo anterior (síndrome de Kilon-Nevin) é causada pela compressão do nervo interósseo anterior no antebraço. As causas semelhantes às descritas na síndrome de pronador. A RM é útil para mostrar alterações de intensidade de sinal relacionadas com a desnervação muscular, tipicamente envolvendo os músculos flexor profundo dos dedos, flexor longo do polegar e quadrado pronador.

A síndrome do túnel do carpo é, de longe, a causa mais comum de neuropatia por compressão. Embora muitos casos sejam idiopáticos, pode resultar de uma ampla variedade de etiologias, incluindo trauma repetitivo, condições relacionadas a alterações metabólicas e hormonais e quistos ganglionares.

Os pacientes com síndrome do túnel do carpo têm sintomas de ardência e dor no punho e parestesia ou dormência do 1º ao 3º dedo e aspecto radial do 4º dedo. Na RM da síndrome do túnel do carpo as visões axiais são as imagens mais úteis para demonstrar as alterações.


Dong QJacobson JAJamadar DAGandikota GBrandon CMorag YFessell DPKim SMEntrapment neuropathies in the upper and lower limbs: anatomy and MRI features. Radiol Res Pract. 2012;2012:230679. 

Sem comentários:

Enviar um comentário