domingo, 31 de agosto de 2014

Espasticidade

A espasticidade é uma desordem motora caracterizada por um aumento dependente da velocidade dos reflexos de estiramento tónico (tónus muscular) com movimentos bruscos exagerados do tendão, resultantes da hiperexcitabilidade do reflexo de estiramento, como um componente de uma síndrome do neurónio motor superior.

A espasticidade está associada a condições como a paralisia cerebral, a esclerose múltipla, lesões vertebro-medulares e acidentes vasculares cerebrais.

Este tipo de danos no SNC altera a inibição dos nervos periféricos na região afectada. Esta mudança tende a favorecer a excitação e, portanto, aumentar a excitabilidade nervosa. Ao mesmo tempo, estes danos também fazem com que as membranas das células nervosas repousem num estado mais despolarizado.

A combinação da inibição diminuída e aumento do estado despolarizado de membranas aumenta a actividade de estruturas enervadas pelos nervos afectados. Assim, os músculos afectados têm outras potenciais alterações de desempenho em adição à espasticidade, incluindo fraqueza muscular; diminuição do controlo do movimento; clonus; reflexos profundos exagerados; e diminuição da resistência.

Problemas associados que surgem ou se agravam devido à espasticidade são, por exemplo, amplitude de movimento limitada, posturas anormais que podem produzir dor, capacidade funcional diminuída, distúrbios estéticos ou de higiene.

Procedimentos Diagnósticos


Escala Ashworth:
A escala Ashworth é o instrumento de avaliação mais utilizado para medir a resistência ao movimento de um membro, embora seja incapaz de distinguir entre os componentes neurais e não-neurais do aumento do tónus.

A escala Ashworth:
  • 0 Não se observa aumento do tónus muscular
  • 1 Ligeiro aumento no tónus quando o membro é movido
  • 2 Mais acentuado aumento no tónus, mas o membro facilmente deslocado
  • 3 Aumento considerável no tónus - movimento passivo torna-se difícil
  • 4 O membro encontra-se rígido em flexão ou extensão
Como a espasticidade pode variar de uma condição neurológica para outra e até mesmo de um paciente para outro com a mesma condição, foram sendo desenvolvidas escalas de medição da espasticidade específicas para diversas doenças.

Por exemplo, para a população com esclerose múltipla (The Multiple Sclerosis Society Spasticity Scale, MSSS-88). Esta escala com 88 itens não só avalia os sintomas de espasticidade, como também incorpora a experiência da pessoa e como a espasticidade afeta a sua vida diária.

Tratamento


  • Treino de força de resistência progressiva: não existem provas de que o treino de força aumenta a espasticidade em pacientes com acidente vascular cerebral. Por outro lado o comprometimento osteomuscular nos membros com espasticidade é reduzido significativamente após o treino de força de resistência.
  • Biofeedback combinado com estimulação elétrica funcional e terapia ocupacional demonstrou uma maior redução da espasticidade em comparação com pacientes que realizaram estimulação elétrica funcional e terapia ocupacional isoladamente.
  • A terapia por ondas de choque dos músculos flexores do antebraço em hipertonia em pacientes com acidente vascular cerebral demonstrou redução significativa do tónus muscular (> 3 meses de tratamento).
  • Redução significativa de espasticidade dos flexores plantares do tornozelo em pacientes com acidente vascular cerebral após quinze sessões de 10 minutos de terapia de ultra-som contínuo durante um período de 5 semanas (1MHz frequência e intensidade de 1,5 W/cm2).
  • Crioterapia, usando compressas frias (12 °C) por 20 minutos, pode reduzir a temperatura muscular, reduzindo assim a espasticidade.
  • Estimulação elétrica: a estimulação do músculo agonista apresentou melhorias significativas nos resultados da escala de Ashworth. A estimulação do antagonista demonstrou um aumento do ângulo de iniciação do reflexo de estiramento.


Nestes casos o tratamento precoce é fundamental para evitar ou reduzir as complicações graves associadas a este fenómeno.


Morris SL, Dodd KJ, Morris ME. Outcomes of progressive resistance strength training following stroke: a systematic review. Clin Rehabil. 2004 Feb;18(1):27-39.
Lourenção MI, Battistella LR, de Brito CM, Tsukimoto GR, Miyazaki MH. Effect of biofeedback accompanying occupational therapy and functional electrical stimulation in hemiplegic patients. Int J Rehabil Res. 2008 Mar;31(1):33-41
Manganotti P, Amelio E. Long-term effect of shock wave therapy on upper limb hypertonia in patients affected by stroke. Stroke. 2005 Sep;36(9):1967-71. Epub 2005 Aug 18.
Amelio E, Manganotti P.Effect of shock wave stimulation on hypertonic plantar flexor muscles in patients with cerebral palsy: a placebo-controlled study. J Rehabil Med. 2010 Apr;42(4):339-43.(B)
Ansari NN, Adelmanesh F, Naghdi S, Tabtabaei A.The effect of physiotherapeutic ultrasound on muscle spasticity in patients with hemiplegia: a pilot study. Electromyogr Clin Neurophysiol. 2006 Jul-Aug;46(4):247-52.(B)
Ansari NN, Naghdi S, Bagheri H, Ghassabi H. Therapeutic ultrasound in the treatment of ankle plantarflexor spasticity in a unilateral stroke population: a randomized, single-blind, placebo-controlled trial. Electromyogr Clin Neurophysiol. 2007 May-Jun;47(3):137-43. (B)
Van der Salm A, Veltink PH, Ijzerman MJ, Groothuis-Oudshoorn KC, Nene AV, Hermens HJ. Comparison of electric stimulation methods for reduction of triceps surae spasticity in spinal cord injury. Arch Phys Med Rehabil. 2006 Feb;87(2):222-8.



quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Ressonância Magnética - o que deve saber

A RM (Ressonância Magnética) é um exame médico que utiliza ondas magnéticas excepcionalmente fortes e de radiofrequência para gerar uma imagem do seu corpo.

Um aparelho de RM, ou de ressonância magnética nuclear (RMN) como era originalmente conhecido, utiliza poderosos ímanes para polarizar e excitar os núcleos de hidrogénio em moléculas de água no tecido humano, produzindo um sinal detectável que é espacialmente codificado, resultando em imagens do corpo.

Procedimento


Durante um exame de RM, você irá deitar-se numa cama plana que é movida em direcção ao aparelho com a cabeça ou os pés em primeiro lugar dependendo da parte do seu corpo que está a ser avaliada.

O aparelho de RM é operado por um técnico de radiologia que o controla usando um computador, que está numa sala diferente para mantê-lo longe do campo magnético gerado pelo aparelho.

Você será capaz de falar com o radiologista através de um intercomunicador e ele será capaz de vê-lo num monitor de televisão durante todo o exame.

Em certos momentos durante a digitalização, o aparelho irá fazer alguns barulhos mais altos. Isto deve-se à corrente elétrica nas bobinas a ser ligada e desligada. No entanto isto não o deverá incomodar pois irá ter tampões ou auscultadores para usar.

É muito importante que se mantenha o mais imóvel possível durante o seu exame. Este irá durar entre 15 e 90 minutos, dependendo do tamanho da área a ser digitalizada e de quantas imagens são obtidas.

Ressonância magnética tem uma ampla gama de aplicações no diagnóstico médico:

Neuroimagem: A RM é o instrumento de investigação de escolha em suspeita de cancros neurológicos, pois é mais sensível do que a TC (tomografia computorizada) para tumores pequenos e oferece melhor visualização da fossa posterior. O contraste proporcionado entre substância cinzenta e branca torna a escolha ideal para muitas condições do sistema nervoso central, incluindo as doenças desmielinizantes, demência, doenças vasculares cerebrais, doenças infecciosas e epilepsia.

Cardiovascular: A RM é complementar a outras técnicas de imagem, como o ecocardiograma, tomografia computadorizada cardíaca e medicina nuclear. As suas aplicações incluem a avaliação de isquemia e viabilidade miocárdica, cardiomiopatias, miocardite, sobrecarga de ferro, doenças vasculares e doença cardíaca congénita.

Osteomusculares: Aplicações no sistema músculo-esquelético incluem imagem da coluna vertebral, avaliação de doença articular e tumores de partes moles.

Oncologia: a RM é o exame de primeira escolha no estadiamento pré-operatório do cancro retal e próstata, e tem um papel importante no diagnóstico, estadiamento e acompanhamento de outros tumores.

Fígado e gastrointestinal: a RM hepatobiliar é utilizada para detectar e caracterizar as lesões dos ductos do fígado, do pâncreas e biliares. Distúrbios focais ou difusos do fígado podem ser avaliados utilizando uma imagem ponderada de difusão, a imagem latente em fase oposta e sequências de aperfeiçoamento de contraste dinâmico.
Agentes de contraste extracelulares são amplamente utilizados em RM hepática e agentes de contraste hepatobiliares mais recentes também oferecem a oportunidade de realizar imagem biliar funcional.


Diferença entre a RM e TC


Como a TC, a RM tradicionalmente cria uma imagem de uma "fatia" fina do corpo bidimensional e, portanto, é considerada uma técnica de imagem tomográfica.

No entanto, ao contrário da TC, os exames de RM não usam raios-X, pelo que as possíveis preocupações associadas ao uso de imagens de raios-X na TC não se verificam na RM.

Hoje em dia, os aparelhos de RM modernos são capazes de produzir imagens em forma de blocos de 3D e como a RM tem sido apenas utilizada com fins clínicos desde o início de 1980, não há efeitos conhecidos a longo prazo de exposição a fortes campos estáticos (embora seja tema actualmente em debate) e, portanto, não há limite para o número de exames a que um indivíduo pode ser submetido, em contraste com o de raios-X e a TC.

No entanto, há riscos de saúde bem identificados associados ao aquecimento dos tecidos na exposição ao campo de raio-frequência e a presença de dispositivos implantados no organismo, tais como pacemakers.
Porque a TC e a RM são sensíveis a diferentes propriedades do tecido, a aparência das imagens obtidas com as duas técnicas é muito diferente.

Na TC, os raios-X serão bloqueados por algum tipo de tecido denso para gerar a imagem, por isso a qualidade da imagem quando se olha para os tecidos moles será pobre.

Na RM, como são utilizados os protões do átomo de hidrogénio, presente nas moléculas de água, existe um excelente contraste entre diferentes tecidos moles.





Dicionário Saúde e Fisioterapia

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ


R


Ritmo refere-se à regularidade das inspirações e expirações. Normalmente, há um intervalo de tempo regular entre as respirações. O ritmo respiratório é descrito como regular ou irregular.
Ritmo circadiano variações nos valores dos sinais vitais ocorrentes num ciclo regular e previsível de 24 horas.
Rizotomia divisão ou secção cirúrgica de uma raiz nervosa; usada na redução da espasticidade grave; divisão ou rompimento de uma raiz nervosa.
Rolfing método global de tratamento que consiste na intervenção manual profunda, introduzido pela bioquímica norte-americana Ida E Rolf, em 1967, e que postula que, através dessa manipulação, o fisioterapeuta busca o equilíbrio do corpo no campo gravitacional, aliviando, assim, dores musculares e alterações posturais.
Rolo de Bobath consiste num cilindro suficientemente grande, de mais de 1 m de comprimento até mais de 2 m, com diferentes espessuras, bem forrado com couro ou plástico, para aplicação na abordagem fisioterapêutica de reeducação neuromuscular.


Ronco som grave, devido à presença de secreções na traqueia e nos brônquios principais. Além de frequência, profundidade, ritmo e caráter, diversos padrões respiratórios distintos foram descritos. Também denominado estertor áspero. Os roncos enquadram-se entre os sons pulmonares patológicos denominados estertores secos. São sons contínuos, com timbre "raspante" grave, indicando a presença de secreção pulmonar aderida, broncoespasmo ou tumefação da mucosa bronquial, estando presente somente em brônquios de maior calibre. Provavelmente, são produzidos por um fluxo de ar de alta velocidade através das vias aéreas, sendo variáveis de acordo com a velocidade de tal fluxo aéreo.
Rotação lateral rotação de uma articulação, de modo que o membro (superior ou inferior) se vire para a lateral do corpo. Em geral, diz respeito ao quadril e ao ombro.
Rotação medial rotação da articulação, de modo que o membro (superior ou inferior) se volte na direção do corpo. Em geral, diz respeito ao quadril e ao ombro.
Rotação rítmica (RR) técnica terapêutica usada na facilitação neuromuscular proprioceptiva (PNF) e no tratamento por neurodesenvolvimento (NDT) que envolve movimentos rotacionais passivos repetidos de um membro ou do tronco.
RPG (reeducação postural global) é um método manual, de cadeias musculares, para a prevenção e tratamento de algias musculoesqueléticas e alterações de postura, idealizado pelo físico e fisioterapeuta Dr. Philippe Emmanuel Souchard, no início da década de 1980, embasado nos estudos de 1947 da terapeuta corporal francesa Françoise Mézières.
RPPI respiração por pressão positiva intermitente; terapia de higiene brônquica e/ou expansão pulmonar — manutenção da pressão positiva dentro das vias aéreas durante toda a inspiração.
RTA reequilíbrio tóraco-abdominal. Método para tratamento das disfunções respiratórias baseado na reorganização biomecânica, através de alongamentos e fortalecimentos da musculatura respiratória.
RTCA reflexo tónico cervical assimétrico. Reflexo normal do lactente presente até por volta dos 6 meses de idade. Pesquisa-se esse reflexo virando-se a cabeça do bebé para um dos lados, e como resposta temos a flexão do membro inferior e membro superior do lado occipital e extensão do membro superior e membro inferior do lado facial.
RTCS reflexo tónico cervical simétrico. O estímulo para esse reflexo é a flexão ou extensão do pescoço. Quando o pescoço está em flexão, os membros superiores também estão flexionados e os inferiores estão em extensão. Quando o pescoço está em extensão, os membros superiores também estão em extensão e os inferiores estão em flexão.
RTL reflexo tónico labiríntico. O estímulo para esse reflexo é a posição da cabeça em supinação, resultando na extensão do tronco e dos membros, e, em pronação, ocasiona flexão do tronco e dos membros. Existe um máximo de tónus flexor na postura prona, e um máximo de tónus extensor na postura supina.
Rubor avermelhamento da pele; sinal primário de inflamação.



ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ



Dicionário Saúde e Fisioterapia

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ


R


Resistência de entrada resistência elétrica de um motoneurónio para um impulso de corrente que é injetado por um microeléctrodo intracelular.
Resistência de força aeróbia é constituída de forças opostas ao fluxo aéreo, em que quanto menor o calibre, seja das vias aéreas, seja do circuito de ventilação mecânica, maior é a resistência.
Resistência de força anaeróbia capacidade dos músculos em resistir à fadiga na ausência de uma adequada provisão de oxigénio.
Resistência do fluido resistência que um fluido oferece a qualquer objeto que passe através dele. A magnitude da resistência depende das características físicas do fluido e da extensão em que o movimento do objeto perturba o fluido.
Resistência física consumo de energia necessário para que se realize uma tarefa funcional.


Resistência muscular é definida como a capacidade de um grupo muscular para realizar contrações repetidas contra uma carga ou manter uma contração por um período prolongado de tempo.
Respiração externa troca de ar para dentro e fora do corpo; também chamada ventilação.
Respirações apnêusticas inspiração prolongada, com expiração breve e ineficaz; observadas nas lesões da ponte.
Respirações de Biot padrão que alterna períodos de apneia e hiperpneia (frequência e profundidade aumentadas); associado a meningite e distúrbios do sistema nervoso central causadores de elevação na pressão intracranial.
Respirações de Cheyne-Stokes padrão caracterizado por uma elevação gradual na frequência e profundidade, seguida por uma queda gradual. Ocorrem períodos de apneia entre os ciclos. Considerado um sério sintoma, esse padrão respiratório é frequentemente observado com a aproximação da morte. Ele também está associado a insuficiência renal grave, overdose (drogas), meningite e exposição a altas altitudes.
Respirações de Kussmaul padrão laborioso e ofegante, em que tanto a frequência como a profundidade estão aumentadas; associado à acidose metabólica e à insuficiência renal.
Respirações paradoxais insuflação pulmonar que ocorre durante a expiração; e a desinsuflação, durante a inspiração. Podem ocorrer no pneumotórax aberto ou na paralisia do diafragma.
Resposta humoral uma resposta imune humoral envolve a produção de linfócitos plasmáticos (linfócitos B), em resposta a um antígeno, e resulta na formação de anticorpos.
Resposta imune reação do corpo a substâncias estranhas, ou interpretadas como estranhas. Uma resposta imune mediada celularmente envolve a produção de linfócitos pelo timo (linfócitos T), em resposta a um antígeno.
Ressecção de gengiva, Estimulação elétrica na utiliza-se o bisturi elétrico e, mais recentemente, o laser, para as gengivectomias e gengivoplastias.
Ressonância magnética nuclear (RMN) é a medida do momento de força do dipolo magnético dos núcleos atómicos (proporção da força de torção máxima aplicada aos núcleos de um determinado campo); utiliza-se para delimitar as características particulares de enlaces covalentes que participam de uma reação orgânica.
Retenção-inversão lenta técnica de facilitação neuromuscular proprioceptiva que envolve a alternância de contrações isométricas e isotónicas, tanto de padrões agonistas quanto de antagonistas, a uma resposta de contenção do músculo.
Retenção-relaxamento (RR) técnica de facilitação neuromuscular proprioceptiva (PNF) envolvendo uma contração isométrica com máxima resistência do padrão antagonista limitante da amplitude, seguindo-se relaxamento.
Retículo sarcoplasmático sistema membranoso oco dentro da fibra muscular.
Retorno venoso circulação do sangue venoso no sentido centrípeto em relação ao coração, isto é, a partir do nível dos tecidos para o ventrículo direito.
Retração retrair ou diminuir. Usada no contexto de manter um membro ou uma parte do corpo num plano posterior com relação ao resto do corpo, como retrair o quadril ou o ombro.


Retração muscular posição adotada pelo músculo ou grupo muscular quando ele se retrai e assume determinada posição, não conseguindo retornar à sua posição normal, fisiológica ou de repouso. É considerada como patológica se não for possível o alongamento muscular.
Retro- prefixo de origem latina que indica posição posterior, deslocamento ou movimento para trás.
Retropé parte posterior do pé, inclusive o calcâneo e o tálus.
Retropulsão situação inversa àquela descrita para a antepulsão, porém encontrada nas articulações dos ombros, ou seja, estes encontram-se projetados para trás; comumente observada em atitudes de associação ou adaptação no indivíduo que apresenta o tórax em quilha (peito de pombo).
Retroversão situação inversa à anteversão; p. ex. as espinhas ilíacas ântero-superiores projetadas para trás, ocasionam uma diminuição ou até mesmo uma retificação da lordose lombar.
Reumat-, Reumato- elemento de composição que denota relação com fluxo ou com reumatismo (do grego rheuma, rheumatos = fluxo).
Reumatismo termo vago que se refere a um grupo de afecções agudas ou crónicas, com etiologias diferentes e muitas vezes desconhecidas.
Reumatismo inflamatório quadro clínico reumatóide de origem inflamatória.
Reumatóide semelhante ao reumatismo; associado à artrite reumatóide.
Reumatologia ramo da Medicina que se ocupa das doenças não-cirúrgicas, ainda que eventualmente possam vir a sê-lo, do aparelho locomotor e de outras doenças do tecido conjuntivo.
Rigidez "endurecimento" ou hipertonia muscular; contração sustentada do músculo, resultando na incapacidade de este se alongar, ou de ser alongado; aumento do tónus muscular, resultando em maior resistência ao movimento passivo.
Rigidez de descerebração contração sustentada dos músculos extensores de todos os quatro membros, resultante da lesão no tronco cerebral entre o núcleo rubro e os núcleos vestibulares.
Rigidez em roda denteada resistência muscular, de "mecanismo de relógio", ao movimento passivo.
Rigidez matinal esta expressão distingue a rigidez generalizada prolongada, associada à artrite inflamatória, quando o indivíduo desperta. A rigidez é indicativa de envolvimento sistémico. A duração da rigidez correlaciona-se com a intensidade da doença. Essa rigidez generalizada contrasta com a rigidez localizada observada na doença articular degenerativa, em decorrência da inatividade.
Rima linha vertical, retilínea ou sinuosa, formada pela união de duas superfícies anatómicas pertencentes a um mesmo órgão. Por exemplo: rima oral, rima palpebral, rima do pudendo, etc.



ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ


Dicionário Saúde e Fisioterapia

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ


R


Recíproco movimento em padrão alternado. A marcha recíproca é aquela em que um membro inferior se movimenta e, a seguir, o outro faz o movimento recíproco, seguindo o mesmo padrão de movimento.
Recorrência reaparecimento das manifestações de uma doença.
Recrutamento processo de ativação da unidade motora.
Recrutamento ordenado sequência de ativação das unidades motoras para uma tarefa específica que pode ser repetida.
Recuperação processo pelo qual o paciente volta a estar bem ou retorna a um estado hígido; restauração da saúde normal.
Redução aberta processo de redução cirúrgico do foco de fratura para alinhar o osso fraturado.


Redução fechada processo de alinhamento normal da fratura, geralmente quando o paciente está sob anestesia local ou geral, seguida da imobilização do membro.
Reeducação motora reaprendizagem de função, de movimento, através de exercícios terapêuticos.
Reflexo resposta motora involuntária a um estímulo, geneticamente definida.
Reflexo bulbocavernoso positivo é a pressão que se exerce sobre a glande do pénis ou do clitóris com o fim de contrair o esfíncter anal externo.
Reflexo de estiramento resposta de um músculo a um aumento súbito inesperado no seu comprimento. A resposta de feedback negativo ativa o músculo alongado para minimizar o aumento no seu comprimento.
Reflexo de Hoffmann resposta que é produzida artificialmente pela estimulação elétrica de um nervo periférico e a ativação seletiva dos aferentes do grupo Ia. O impulso aferente ativa moto neurónios homónimos e produz uma resposta de força. O reflexo de Hoffmann, ou reflexo H, é usado como teste do nível de excitabilidade de motoneurónios.
Reflexo de inibição recíproca decréscimo na excitabilidade dos motoneurónios que inervam um músculo antagonista devido ao alongamento dos músculos agonistas e à ativação dos seus aferentes do grupo Ia e dos interneurónios inibitórios Ia.
Reflexo de percussão do tendão subgrupo do reflexo de estiramento que envolve a resposta de um músculo à percussão do seu tendão. Os aferentes ativados durante a percussão do tendão são primariamente os aferentes do grupo Ia.
Reflexo de retirada flexora resposta reflexa da perna a um estímulo nocivo que é aplicado na parte posterior da perna.
Reflexo espinal (Reflexo elementar) é uma resposta motora involuntária a um estímulo organizado ao nível da medula espinal, como, por exemplo, a retirada flexora e o impulso extensor, em extensão cruzada.
Reflexo extensor cruzado resposta de extensão no membro contralateral a um estímulo nocivo que provoca um reflexo de retirada flexora.
Reflexo mioartrocinético reflexo neurofisiológico promovido pela aplicação de carga à cápsula articular e aos ligamentos; pode tanto facilitar quanto inibir a musculatura.
Reflexo palmar reflexo neonatal com um estímulo de pressão na base da articulação metacarpofalângica; a resposta é a de preensão dos dedos. Este reflexo é observado no desenvolvimento da criança normal até por volta dos 4 a 6 meses de idade.
Reflexo tónico cervical assimétrico (RTCA) a rotação da cabeça para a esquerda provoca a extensão do braço e perna esquerdos, com flexão do braço e perna direitos; a rotação da cabeça para a direita produz o padrão inverso.
Reflexo tónico cervical simétrico (RTCS) a flexão do pescoço resulta na flexão dos braços e extensão das pernas; a extensão do pescoço gera as respostas opostas.
Reflexo tónico labiríntico simétrico (RTLS) o posicionamento em decúbito dorsal produz um aumento no tónus extensor, ao passo que em decúbito ventral aumenta o tónus flexor.
Reflexos de tronco central (Reflexos posturais) reflexos organizados pelos centros de controlo da parte inferior do tronco cerebral; p. ex.: reflexos tónicos, labirínticos, tónicos cervicais, e reações associadas.
Reflexos primitivos são reflexos que aparecem antes do nascimento ou por ocasião do parto; ficam evidentes nos lactentes, normalmente por volta dos primeiros 6 meses de vida extra-uterina, e integrados aos padrões de movimentação normal, conforme o lactente se desenvolve durante o primeiro ano de vida.
Refluxo vesicoureteral fluxo retrógrado da urina da uretra para a bexiga.
Regra dos nove método de estimativa da quantidade de área da superfície corporal total que foi queimada. Divide o corpo em segmentos que são aproximadamente 9% do total.
Regulação processo de manutenção de um estado constante envolvendo um sistema que é capaz de acomodar distúrbios.
Reinervação estado em que o músculo ou fibra muscular é reconectado ao sistema nervoso pelo desenvolvimento de uma conexão funcional (sinapse).
Relação força X comprimento a força máxima que um músculo pode exercer varia como uma função do seu comprimento. Também chamada relação comprimento X tensão.


Relação força X velocidade efeito que a velocidade de mudança de comprimento do músculo tem sobre a força máxima que ele pode exercer.
Relaxamento estado que se segue ao período de contração muscular, quando ele retorna ao comprimento e ao tónus normais.
Remissão diminuição dos sintomas ou queda da gravidade de uma doença.
Remodelagem crescimento, reforço e reabsorção experimentados por um osso vivo.
Reobase força mínima de que um estímulo elétrico precisa para excitar um tecido, caso se permita que flua através dele durante um tempo adequado.
Reologia estudo das propriedades viscoelásticas do muco do trato respiratório.
Reorganização funcional teoria sobre a recuperação no sistema nervoso central (SNC) referente à capacidade do SNC para alterar a sua organização estrutural após uma lesão.
Repetição máxima (RM) maior quantidade de peso que um músculo pode mover na sua amplitude de movimento um número específico de vezes numa rotina de exercícios resistidos com carga.
Repetição mínima (Rm) menor quantidade de peso necessária para ajudar um paciente a erguer a parte corporal contra a gravidade um número específico de vezes numa rotina de exercícios assistidos com carga.
Repolarização retorno do potencial de membrana (polaridade) às condições de equilíbrio.
Resistência (Alongamento sustentado) carga externa aplicada ao músculo, e que resulta no recrutamento dos motoneurónios alfa e gama.
Resistência à fadiga habilidade de resistir ao cansaço.
Resistência à fadiga, cardiovascular habilidade dos pulmões e coração para captar e transportar quantidades adequadas de oxigénio para os músculos em trabalho, permitindo atividades que envolvam grandes massas musculares para serem realizadas em longos períodos de tempo.
Resistência à fadiga, geral (Total corporal) habilidade do indivíduo para sustentar exercícios de baixa intensidade, como caminhar, por um período longo de tempo.
Resistência à fadiga, muscular habilidade de um músculo para desenvolver contrações repetidas num período prolongado de tempo.
Resistência da pele oposição à condução elétrica, oferecida pelas células da pele e por outras substâncias sobre a pele, geralmente necessitando de alguma forma de preparação da pele anterior à aplicação de eletrodos de superfície.
Resistência das vias aéreas resistência ao fluxo do ar nos pulmões oferecida pelos bronquíolos.



ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ