segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Doença de Ménière

A doença de Ménière afecta o ouvido interior, e manifesta-se em adultos, na maioria das vezes a partir dos 30-40 anos. Normalmente afeta apenas um ouvido inicialmente, mas em cerca de 1/3 dos pacientes ambos os ouvidos, eventualmente, ficarão afetados.
A causa de base dos sintomas da doença de Ménière é um aumento da quantidade e da pressão de um fluido chamado endolinfa, que banha os órgãos sensoriais do ouvido interno, dentro do labirinto. A doença de Ménière pode ser equiparada ao glaucoma no olho, no qual também há um aumento da pressão e do fluido.
A causa da doença de Ménière é ainda desconhecida, mas pode seguir-se a outras doenças do ouvido interno, incluindo:
  • Traumatismo craniano
  • Infecções do ouvido interno - muitas vezes no histórias antigas de infecções
  • Autoimunidade
  • Alergia
  • Infecções virais
  • Provavelmente há um aumento da incidência de enxaqueca em pacientes com esta doença. A distinção entre vertigem associada a enxaqueca ou a doença de Ménière pode ser difícil, uma vez que vertigem e desequilíbrio podem ocorrer em ambos os casos.


Sintomas da doença de Ménière


  • Zumbido no ouvido
  • Perda auditiva intermitente
  • Dor, pressão na orelha
  • Crises de vertigem com náuseas e vómitos
  • Os ataques duram algumas horas a alguns dias
  • Os pacientes costumam voltar ao normal entre os ataques.
  • Nas fases mais crónicas da doença, a perda de audição pode tornar-se permanente, assim como a perda de função labiríntica, embora seja menos frequente.


A doença de Ménière também é conhecida como hidropsia endolinfática . Endolinfa é o nome do fluido, e hidropsia significa inchaço. A endolinfa está contida dentro de uma membrana fina chamada labirinto membranoso. Normalmente, é produzida continuamente e depois reabsorvida de modo que a pressão se mantém relativamente constante. Quando o fluido não é reabsorvido de forma adequada, a pressão dentro do labirinto membranoso aumenta. 
Isto pode levar a um inchaço do labirinto membranoso, o que interfere com a função normal das células ciliadas que transmitem informações usadas para a audição e equilíbrio. A membrana fina que contém a endolinfa pode também romper, fazendo com que o fluido escape. Estas ruturas na membrana são geralmente causadas por ataques súbitos e graves de vertigem e desequilíbrio que podem ser incapacitantes. Felizmente, estas ruturas são reparadas rápida e naturalmente, de modo que os pacientes geralmente recuperam em um dia ou dois.

Ataques na doença de Ménière


  • Sensação de ter o ouvido cheio
  • Zumbido
  • Deficientes auditivos
  • Vertigem
  • Audição retorna assim que a vertigem começa
  • Os testes auditivos irão demonstrar dificuldades em ouvir sons com frequência mais baixa, mas os sons mais altos parecem demasiado altos.

A Eletrococleografia ( ECOG ) é uma técnica de diagnóstico útil para testar a pressão no ouvido interno, que se encontra comummente elevado na doença de Ménière . Alguns pacientes com Ménière podem cair de repente, sem aviso prévio. Estes acontecimentos, que podem ocorrer no início do curso da doença , são chamados de crises otolíticas de Tumarkin. Felizmente , muitas vezes estas desaparecem por si. O curso natural da doença de Ménière é uma progressão, mas com grandes períodos de regressão.

Tratamento


O tratamento para a doença de Ménière baseia-se tanto no tratamento dos sintomas quando ocorre um ataque, como a impedir que os ataques em si ocorram. As crises agudas de vertigem são tratadas como qualquer outro problema vestibular agudo, com medicamentos que aliviam náuseas e vómitos ou sedativos leves. Para a perda de audição, um medicamento que contenha cortisona pode ser administrado por via oral ou injetado diretamente no ouvido médio.

Prevenção

  • Modificar dieta, com restrição rígida de sal - muitas vezes requer a orientação de um nutricionista.
  • Evite alimentos que podem desencadear os sintomas, tais como glutamato monossódico (MSG) ou cafeína
  • Evite nicotina
  • A utilização de um diurético pode ser recomendada
  • A acetazolamida pode ser utilizada para diminuir a produção da endolinfa e reduzir a pressão do ouvido interno.
  • Para ataques recorrentes e incapacitantes de vertigem, injecções de gentamicina através do tímpano para o ouvido médio podem ser utilizados. Normalmente estas injecções não afetam a audição, mas é sempre um potencial efeito colateral indesejado.


Tratamento Cirúrgico da doença de Ménière


  • Remoção do labirinto, quando a audição já está perdida
  • Corte do nervo vestibular para a parte do labirinto que retransmite sensação vestibular para o cérebro

Estes procedimentos provocam uma perda permanente da função vestibular .

A fisioterapia também pode também ajudar pacientes com doença de Ménière, na recuperação de parte do equilíbrio. 

Tal como acontece com todas as condições que produzam ataques episódicos e imprevisíveis de vertigem, a ansiedade e depressão associada com a natureza debilitante e imprevisível de Ménière deve ser reconhecida e tratada.



Crane BT, Schessel DA, Nedzelski J, Minor LB. Peripheral vestibular disorders. In: Cummings CW, Flint PW, Haughey BH, et al, eds. Otolaryngology: Head & Neck Surgery. 5th ed. Philadelphia, Pa: Mosby Elsevier;2010:chap 165.
Post RE, Dickerson LM. Dizziness: a diagnostic approach. Am Fam Physician. 2010;82:361-369.


Outras disfunções do sistema vestibular:






3 comentários:

Kamila Mattos disse...

Super interessante a matéria. Eu nunca tinha ouvido falar desta patologia. Obrigada por compartilhar conhecimentos.

José Roberto De Amorim disse...

PÉSSIMO TEXTO, SIMPLISTA E CHEIO DE INFORMAÇOES ERRADAS.

lobo disse...

Pra quem fala que são informações errada e pq não sofre desa doença ou não tem conhecimento e melhor ficar calado e uma doença que dezafia a medicina só sabem que sofre e que estudar e se formou em otorrinolaringologista

Enviar um comentário