domingo, 3 de agosto de 2014

Dicionário Saúde e Fisioterapia

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ


P


Pico de fluxo expiratório (Peak flow) avalia a velocidade máxima da saída do ar. Muito utilizado para avaliar o grau de obstrução das vias aéreas.
Pico de fluxo respiratório refere-se ao valor máximo inspirado num ciclo respiratório.
Pielonefrite inflamação do rim, especialmente da pélvis renal.
Piezoelétrico geração de potenciais elétricos em razão da pressão.
Pilar endosquelético (Modular) haste protética em que a sustentação consiste num tubo rígido geralmente revestido com um material elástico, para simular a "canela" da perna intacta. Modular refere-se à facilidade de intercâmbio das unidades do pé e do joelho. Pilar é o próprio tubo, embora este termo também seja usado para significar uma prótese temporária.


Pilar exosquelético ("crustáceo") haste protética em que a sustentação consiste em material rígido na periferia, geralmente recoberto com uma delgada camada de laminado de poliéster. "Crustáceo" refere-se ao posicionamento da estrutura de sustentação externamente, como é o caso dos animais como a lagosta.
Pioartrite artrite supurativa aguda.
Pionefrose degeneração do parênquima renal com secreção de pus.
Pirexia aumento na temperatura corporal; febre.
Pirógeno substância geradora de febre.
Plaquetopenia diminuição do número de plaquetas; também chamada trombocitopenia e trombopenia.
Plasia elemento de composição que significa formação, crescimento, desenvolvimento (do grego, plasis = moldagem).
Plasticidade neural refere-se à capacidade do sistema nervoso central para a adaptação e reorganização.
Plegia, -plégico elementos de composição que significam paralisia, acometimento, ataque (do grego, plege = pancada, golpe, ataque, insulto).
Pleurectomia incisão na pleura, com remoção de uma parte dessa serosa. A incisão apenas será uma pleurotomia.
Plexo rede anastomótica ou interlaçada formada por vasos ou nervos.
Plica sinovial remanescente embrionário do septo que separa a bursa suprapatelar da cavidade interna do joelho. Persiste em aproximadamente 70% dos joelhos humanos como uma prega sinovial.
Plicatura gástrica pregas da mucosa gástrica para aumentar a superfície de contato entre as glândulas digestivas desse órgão e os alimentos.
Pliométricos, Exercícios aqueles que capacitem o músculo a atingir uma força máxima num período de tempo o mais curto possível.
Pneumoconiose estado inflamatório que comumente leva à fibrose dos pulmões, em consequência da inalação contínua, ocupacional de partículas sólidas, como carvão, amianto, berílio, sílica etc.
Pneumonia inflamação dos pulmões caracterizada por consolidação e exsudação; frequentemente causada por uma infecção bacteriana ou viral; processo infeccioso do parênquima pulmonar.
Pneumopatias infecciosas nome genérico dado a todas as afecções pulmonares de origem infecciosa.
Pneumotórax acúmulo de gás na cavidade pleural (pulmão); consequência de lesão ou doença nos tecidos pulmonares.
Pneumocystis carinii microorganismo basófilo parasita que mede 1 micra ou menos de diâmetro, e aparece isolado e formando agregados dentro de uma estrutura em forma de quisto; é o agente causal da pneumocistose.
Polidactilia (Duplicação) duplicação do número de dedos; pode haver duplicação de todo o membro desde o ombro até o dedo mínimo, porém a mais comum é a do dedo mínimo, seguida do polegar.
Polifagia condição em que o paciente faz refeições em quantidade ou em número exagerados, devido ao apetite muito aumentado.
Polimialgia reumática perturbação relativamente comum, mais tipicamente encontrada em mulheres com mais de 50 anos. Caracterizada por marcante dor no ombro e músculos na cintura pélvica, elevada velocidade de sedimentação globular (hemossedimentação); com frequência associada à arterite temporal e a diversas outras co-morbilidades.
Polisserosite paroxística benigna alteração de causa desconhecida, caracterizada por uma dor abdominal que recidiva a intervalos regulares e é acompanhada de febre, inflamação do peritónio e às vezes de púrpura.
Politrauma conjunto de lesões múltiplas simultâneas, de vários seguimentos do corpo, onde pelo menos uma ou a combinação de várias é potencialmente letal.
Ponte secção intermediária do tronco cerebral, que fica entre a medula oblonga e o mesencéfalo.
Potencial de ação da unidade motora potencial de ação que reflete a atividade elétrica de uma única unidade motora.
Ponto motor ponto rico em tecidos nervosos., localizados nos músculos, que servem para maior efetividade na ativação motora.
Pontos-chave de controlo partes do corpo através das quais o fisioterapeuta pode controlar e modificar, com maior eficácia, os padrões de postura e de movimentos em outras partes do corpo. Estes podem ser usados com o fim de inibir, facilitar e estimular.


Pontos-gatilho nódulos dolorosos de tecido muscular, geralmente nas bandas de tensão, formadas por um grupo de fibras musculares contraídas ou tecidos fibróticos, que, quando sofrem estímulos mecânicos, apresentam dor referida.
Pontos-gatilho miofasciais focos irritáveis numa estrutura de tecido mole ou músculo que, quando estimulados, frequentemente por deformação mecânica, alongamento, contração ou palpação, geram uma dor referida.
Posição anatómica posição adotada como base para qualquer estudo anatómico, biomecânico, bem como para as avaliações posturais, onde se segue o seguinte padrão: indivíduo em pé, com o olhar voltado à linha do horizonte, membros inferiores (MMII) estendidos e paralelos, membros superiores (MMSS) ao longo do corpo, estendidos e paralelos ao tronco.
Posição de repouso posição de articulação na qual existe o máximo de flacidez na cápsula e estruturas vizinhas.
Posição invertida da cabeça (Resposta tónica labiríntica invertida) inclinação da cabeça para baixo, em relação ao tronco; a estimulação dos barorreceptores e aparelho vestibular resulta numa depressão generalizada da atividade simpática (resposta do seio carótico).
Posicionamento distónico posicionamento involuntário anormal do corpo, sustentado e mantido por poderosas contrações musculares.
Pós-menopausa período em que se segue à menopausa, caracterizado pela ausência de ovulação e dos ciclos menstruais, iniciando-se geralmente depois dos 45-50 anos de idade.
Pós-sináptico no lado distal de uma sinapse, estado neuromecânico que diz respeito à manutenção do equilíbrio.
Postura posição ou atitude do corpo; arranjo relativo das partes do corpo para uma atividade específica, ou uma maneira característica de alguém sustentar o corpo, alinhamento das partes do corpo em relação recíproca e com o ambiente.
Postura cifótica (Cifose) curvatura convexa da coluna vertebral torácica, em observação lateral. Quando a curvatura é excessiva, chama-se hipercifose.
Postura de achatamento lombar postura caracterizada por diminuição no ângulo lombo-sacral, diminuição na lordose lombar, e inclinação posterior da pélvis.
Postura de protração da cabeça postura caracterizada por aumento na flexão da região cervical baixa e torácica alta, aumento na extensão do occipital na primeira vértebra cervical, e aumento na extensão das vértebras cervicais superiores.
Postura de rã tipo de exercício, do método de reeducação postural global (RPG), realizado em posturas de alongamento ativo, excêntrico, de uma determinada cadeia muscular.
Potência aeróbica máxima (VO2máx.) volume máximo de oxigénio consumido por unidade de tempo.
Potenciais espontâneos potenciais de ação registrados de músculo ou nervo em repouso, após ter reduzido a atividade e quando não estão presentes contração voluntária nem estímulos externos.
Potencial de ação sinal propagado, do tipo tudo ou nada, dos neurónios e das fibras musculares.
Potencial de ação da unidade motora potencial de ação que reflete a atividade elétrica de uma única unidade motora; caracterizado pela sua amplitude, configuração, duração, frequência e som.
Potencial pós-sináptico excitatório potencial sináptico despolarizante (excitatório) que é desencadeado na membrana pós-sináptica.
Potencial sináptico potencial elétrico conduzido (não-propagado) excitatório ou inibitório que é produzido nos neurónios e nas fibras musculares em resposta a um neurotransmissor. A amplitude de um potencial sináptico é variável, dependendo da excitabilidade da célula e da carga.



ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ



Sem comentários:

Publicar um comentário