domingo, 3 de agosto de 2014

Dicionário Saúde e Fisioterapia

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ


P


Paciente doente, enfermo; pessoa que padece de algum mal ou doença.
Padrão capsular padrão característico de restrição da osteocinemática secundário à fibrose da cápsula articular, resultando na perda da sua flexibilidade e extensão; acompanhado por um prejuízo na artrocinemática.
Padrão de unidade motora simples padrão de interferência registado sob esforço máximo, quando ainda podem ser identificados potenciais de unidade motora isolados.
Padrão de EMG com três TENS sequência de atividade muscular agonista-antagonista que está associada a um movimento unidirecional.
Padrão de fadiga padrão característico de exaustão que ocorre sobretudo à tarde, decorrente de esclerose múltipla.


Padrão não-capsular limitação do movimento articular resultante de um padrão de restrição que não o capsular; p. ex., alteração interna do joelho.
Padrão respiratório forma da respiração.
Padrões de inibição de reflexos padrões motores dinâmicos usados no tratamento por neurodesenvolvimento para a inibição ou reversão dos reflexos anormais, enquanto facilitam movimentos mais normais.
Padrões de movimentos movimentos que ocorrem como resultado do trabalho conjunto de vários músculos diferentes. Eles formam a base de todas as nossas actividades diárias.
Paget, Doença de caracteriza-se pelo aumento tanto da atividade reabsortiva quanto da osteogénica de um ou mais ossos, acarretando deformidades e dor. Conhecida também como "osteite deformante".
Palestesia capacidade de perceber ou reconhecer estímulo vibratório.
Paliativo diz-se do tratamento que, sem remover a causa da doença, melhora o quadro sintomático, atenuando ou suprimindo os principais sintomas.
Palicinesia síndrome caracterizada pela repetição incessante e involuntária de um mesmo movimento.
Palidez ausência de cor em qualquer órgão ou parte do corpo, mas sobretudo na pele da face, como consequência de anemia ou de vasoconstrição periférica, queda da pressão arterial, frio ou estado emocional. A palidez localizada pode ser devida à deficiência ou falta de irrigação sanguínea local, por espasmo, trombose ou embolia.
Palilalia uso repetitivo de palavras ou frases, de caráter patológico.
Palindrómico diz-se de uma doença ou sintomatologia recorrente.
Palpação método de exploração clínica que consiste em apoiar os dedos ou a mão sobre determinada região do corpo para apreciar as condições do órgão subjacente (tamanho, consistência, mobilidade, sensibilidade etc.), assim como a presença de anomalias ou formações patológicas (deslocamento do órgão, fraturas, edemas, tumores etc.).
Panarício infecção na polpa da ponta do dedo e que muitas vezes se desenvolve como resultado de ferimentos por perfuração ou mesmo contusões graves.
Pannus excessiva proliferação de tecido de granulação sinovial que invade as superfícies articulares.
Paragem cardíaca quando o coração pára de bater; cessação de débito cardíaco e da circulação efetiva.
Paradoxal, Padrão inspiração sem ou com mínima utilização da musculatura diafragmática. Ocorrem elevação do tórax e depressão do abdómen.
Parafasia afasia parcial em que o paciente emprega palavras erradas ou as palavras com sentido errado ou em combinações sem sentido.
Parafasias verbais substituição inadequada de uma palavra por outra; comumente observadas no paciente com afasia de Wernicke.
Paralisia diminuição ou abolição da motricidade, em uma ou mais partes do corpo, devida à lesão dos centros nervosos ou das vias motoras (via piramidal ou via extrapiramidal), ou devida a lesões do sistema muscular; défice completo da força muscular.
Paralisia cerebral lesão ou malformação do encéfalo imaturo, permanente, não-progressiva, que leva a alterações da postura e do movimento permanentes, mas mutáveis.
Paraparesia diminuição da sensibilidade, geralmente em áreas restritas, como da cintura para baixo.
Paraplegia. paralisia completa da metade inferior do corpo, geralmente em consequência de lesão de medula espinhal. A lesão pode ocorrer desde o primeiro nível torácico; 2. refere-se à paralisia parcial ou completa de todo o tronco (ou parte dele) e de ambos os membros inferiores, a partir de lesões da medula espinhal torácica ou lombar, ou das raízes sacrais.
Paravertebral que se encontra localizado junto a uma vértebra ou à coluna vertebral.
Paresia paralisia incompleta ou diminuição da motricidade em uma ou mais partes do corpo, devida à lesão dos centros nervosos ou das vias motoras, ou devida à lesão do sistema nervoso periférico, inclusive na junção neuromuscular.
Parestesia sensação anormal, como ardor, formigueiro, prurido etc., percebidas na pele e sem motivo aparente, mas relacionada frequentemente com irritação ou trauma dos nervos sensitivos ou raízes nervosas.


Parkinson, doença de doença degenerativa com envolvimento primário dos gânglios da base; caracterizado por tremores, rigidez, bradicinesia e alterações da postura, equilíbrio e marcha. Tem início tipicamente entre a 5ª e a 6ªcadas da vida.
Paroníquia infecção ao longo da margem da unha que pode causar drenagem purulenta.
Passada ciclo completo da marcha humana a partir de um evento (p. ex., saída do pé esquerdo do chão), até o próximo aparecimento do mesmo evento. Uma passada contém dois passos.
Passo uma parte do ciclo da marcha humana a partir de um evento (p. ex., saída dos pés do chão), até o próximo aparecimento do mesmo evento com o outro pé. Há dois passos num ciclo de marcha completo, ou passada; consiste em duas dimensões: distância (comprimento do passo) e tempo (duração do passo).
Pé chato “achatamento” transversal da parte dianteira do pé.
Pé uniaxial articulação protésica que permite o movimento num plano apenas. O pé uniaxial permite flexão plantar e dorsiflexão num ponto correspondente ao tornozelo anatómico.
Pendulares (Movimentos) movimentos de pêndulos, em que a articulação permanece tracionada pela ação da gravidade; é uma ação articular passiva, levando a exercícios pendulares.
Pediátrico relativo a lactentes e crianças.
Peito carinado protrusão anterior do osso esterno; também chamado peito de pombo, peito em quilha ou pectus carinatum.
Peito escavado neste caso existe uma depressão ou abaulamento do osso esterno para dentro da cavidade torácica; também chamado pectus excavatum.
Pelviespondilite reumática inflamação da coluna sacro-lombar e da pélvis, de origem reumática.
Percepção processo pelo qual os sinais aferentes atingem a consciência e contribuem para a sensação.
Percepção corporal conhecimento do próprio corpo.
Percussão torácica manual técnicas de higiene brônquica. Incluem-se: tapotagem, percussão cubital, punho-percussão ou dígito-percussão; percussões na parede do tórax para mobilização de secreções.
Perfusão passagem de um líquido através dos vasos de um órgão.
Periartrite da anca inflamação dos tecidos que circundam as articulações das ancas.
Periartrite escapuloumeral inflamação das partes que envolvem a articulação escapuloumeral.
Perimísio matriz de tecido conjuntivo que une feixes de fibras musculares, formando fascículos.
Perinatal relativo ao período em que está a ocorrer o nascimento.
Períneo região do corpo entre a genitália e o ânus.
Perineorrafia cirurgia plástica reparadora que consiste na sutura do períneo, quando ele se rompe durante o parto.
Período de apoio bilateral lapso de tempo (de até 30 segundos) em que um paciente se pode suportar de pé, sustentando o peso em ambos os membros inferiores.
Período de apoio no lado envolvido período de tempo (de até 30 segundos) em que um indivíduo se pode suportar sobre o membro inferior envolvido (o membro inferior não envolvido está levantado, para fora da superfície de sustentação).
Periósteo uma das partes constituintes do osso vivo; trata-se de um revestimento fibroso, intensamente vascularizado, que recobre todos os ossos e garante o aporte de sangue para o interior das estruturas que circunda. A inflamação do periósteo denomina-se periosteíte.
Permanência do objeto suposição de que os objetos continuam a existir quando eles estão fora da visão, do tato ou de qualquer outro contato perceptual.
Pés cavos situação em que encontramos um aumento excessivo do arco medial no médio pé, com sobrecarga de peso sobre o calcâneo, cabeças dos ossos metatarsos e hálux.
Pés chatos também chamados "pronados", em que acontece um "abaulamento" do arco medial plantar, com sobrecarga sobre as estruturas mediais do médio pé, estando na sua grande maioria associados à rotação medial do joelho. Esta situação é considerada como patológica.



ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ


1 comentário:

Sandra Cunha disse...

Boa tarde
Na minha opinião é difícil apontar problemas perinatais na paralisia cerebral, devido ao facto de uma percentagem muito muito reduzida de casos chegar a vias judiciais, porque nos hospitais os casos não são encapotados só se não houver possibilidades disso, INFELIZMENTE, falo por experiência própria...talvez um dia, quando o meu processo na justiça terminar, escreva um livro para as pessoas ficarem a perceber como "profissionais" alguns com anos de experiência procedem nestes casos.....por isso continuo a dizer , ninguém me convence que a maioria dos casos é mesmo por problemas no parto...já não para não falarmos nos casos que ganham em primeira instância e depois no supremo tribunal são completamente desvalorizados, despojados da sua essência...os juízes de 2ª deviam ter mais formação, para deixarem de dar razão aos utentes, porque posteriormente é-lhes passado um atestado de incompetência pelos juízes de primeira, felizmente já há uma coisa que se chama Tribunal Europeu....

Enviar um comentário