quarta-feira, 12 de junho de 2013

Síndrome do túnel társico

O túnel do tarso é um canal estreito que fica na parte interna do tornozelo, formado pelos ossos do tornozelo e os ligamentos do retináculo flexor, que tem como função proteger e manter as estruturas contidas no seu interior (artérias, veias, tendões e nervos) na posição correcta
Uma dessas estruturas é o nervo tibial posterior, onde se origina a síndrome do túnel társico.
Esta síndrome consiste na compressão do nervo tibial posterior, produzindo sintomas ao longo do trajecto do nervo, que vai do interior do tornozelo à planta do pé. 
O seu comportamento é semelhante à síndrome do túnel do carpo, que ocorre no pulso. Ambos os distúrbios decorrem da compressão de um nervo num espaço de passagem estreito. 
A síndrome do túnel társico é relativamente pouco frequente e afecta sobretudo as mulheres entre 45 e 50 anos. Os principais factores de risco são o excesso de trabalho em carga, uma história de traumatismo ou fractura ou exercícios repetitivos em flexão plantar.

Sinais e sintomas/ Diagnóstico

  • Formigueiro, ardor, dormência ou sensação semelhante a um choque eléctrico no tornozelo e/ou na planta do pé
  • Dor, incluindo uma pontada de dor do tornozelo em direcção à planta do pé
  • Um pequeno nódulo no nervo, logo acima da passagem pelo ligamento, pode estar presente.

Muitas vezes os sintomas são agravados pelo uso excessivo do pé, como estar em pé muito tempo seguido, ou começar um novo programa de exercícios. É muito importante procurar um tratamento precoce, caso contrário o mecanismo lesivo mantêm-se, podendo resultar em danos permanentes do nervo.
Como os sintomas da síndrome do túnel társico podem ser confundidos com outras condições, uma avaliação cuidada é essencial para um diagnóstico acertado. Durante a avaliação clínica, o nervo deve ser palpado, de forma a perceber se os sintomas provêm desta estrutura. 
Na presença de um nódulo suspeito uma ecografia pode ser pedida. A electromiografia pode ajudar a determinar a gravidade da lesão através do estudo da velocidade de condução nervosa.

Tratamento

Existem várias opções de tratamento conservador (não-cirurgico), que muitas vezes são utilizadas de forma combinada, por desta forma serem mais eficazes na redução dos sintomas:
Descanso: Evite caminhar ou estar muito tempo de pé. Se tiver de o fazer utilize canadianas. Andar a pé pode significar um agravamento da sua lesão.
Gelo: Aplique uma compressa de gelo na área lesada, colocando uma toalha fina entre o gelo e a pele. Use o gelo por 20 minutos e depois espere pelo menos 40 minutos antes de aplicar gelo novamente.
Medicação oral. Os anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs), como o ibuprofeno, ajudam a reduzir a dor e a inflamação.
Imobilização. Restringindo o movimento do , vestindo um elenco às vezes é necessário habilitar o nervo e tecido circundante para curar.
Fisioterapia:
  • Mobilização/manipulação articular do tornozelo
  • Alongamento suave e prograssivo das estruturas afectadas
  • Massagem de mobilização dos tecidos moles.
  • Aplicação de ultra-sons da zona de dor.
  • Palmilhas personalizadas podem ser prescritas para ajudar a manter o arco plantar e limitar o movimento excessivo, que pode causar compressão do nervo.

Uma infiltração com cortico-esteróides dada na zona dos sintomas por um ortopedista pode aliviar temporariamente a dor
A descompressão cirúrgica por secção do retináculo flexor deve ser considerada quando o paciente não responde ao tratamento conservador, mantendo-se com dores limitativas para as actividades da vida diária.

Exercícios terapêuticos para a síndrome do túnel társico

Os seguintes exercícios são geralmente prescritos durante a reabilitação da síndrome do túnel társico. Deverão ser realizados 2 a 3 vezes por dia e apenas na condição de não causarem ou aumentarem os sintomas.




Flexão/extensão do pé
Deitado, com o calcanhar fora da cama, puxe a ponta do pé e dedos para si, depois empurre pé e dedos para baixo.
Repita entre 15 e 30 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.

  




 Extensão resistida do pé
Sentado com a perna esticada e o elástico na ponta do pé. Empurre o elástico para a frente, depois deixe o pé regressar lentamente à posição inicial.
Repita entre 8 e 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.


 Antes de iniciar estes exercícios você deve sempre aconselhar-se com o seu fisioterapeuta.


Franson J, Baravarian B. Tarsal tunnel syndrome: a compression neuropathy involving four distinct tunnels. Clin Podiatr Med Surg. 2006 Jul;23(3):597-609.
DiDomenico LA, Masternick EB. Anterior tarsal tunnel syndrome. Clin Podiatr Med Surg. 2006 Jul;23(3):611-20.
Lorei MP, Hershman EB. Peripheral nerve injuries in athletes. Treatment and prevention. Sports Med. 1993 Aug;16(2):130-47.


8 comentários:

gislaine cavassim disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
gislaine cavassim disse...

Nesse final de semana resolvi acabar com a erva daninha do meu gramado. Fiquei umas 6 horas de cócoras. Agora sinto um amortecimento em um dos pés. Não consigo andar direito porque meu pé não realiza o movimento para cima (com o pé no chão não consigo levantar a ponta). Será que é a sindrome de tarso? qual tratamento? obrigado

Hebert disse...

Tenho essa síndrome já faz uns 2 anos, foi difícil diagnosticar porque não é comum na minha idade pois tenho 28 anos. Gostaria de saber se a cirurgia pode ser recomendada pois a dor evoluiu bastante e é muito ruim deixar de fazer as coisas que gosto por causa desta síndrome. Já fiz tratamento com remédios mais não adiantou muito. Qual a taxa de sucesso da cirurgia? Dizem que pode não adiantar, mais ficar sentindo dor não dá, fico sem saber o que fazer. Se algum médico puder me dar algum conselho agradeço muito

Hebert disse...

Tenho essa síndrome já faz uns 2 anos, foi difícil diagnosticar porque não é comum na minha idade pois tenho 28 anos. Gostaria de saber se a cirurgia pode ser recomendada pois a dor evoluiu bastante e é muito ruim deixar de fazer as coisas que gosto por causa desta síndrome. Já fiz tratamento com remédios mais não adiantou muito. Qual a taxa de sucesso da cirurgia? Dizem que pode não adiantar, mais ficar sentindo dor não dá, fico sem saber o que fazer. Se algum médico puder me dar algum conselho agradeço muito

Vanessa Facina disse...

Ola, desde a infancia eu ja sentia choques no meu pe esq, mas era raro tipo a cada seis meses no final da adolescencia sentia sempre resolvi ir no ortopedista, fiz raio x e tomografia ai medico me disse que era congenito no meu caso ele nao me deunenhuma opçao para aliviar falou so que era cirurgico e q nem assim era garantia q a dor acabasse, hj estou com27 anos fiz os exames com 18 quase dez anos ja agora parece q a dor ta pior, nao sei se e pq pego peso td dia, tenho dores musculares e acredito q seja coluna mas nenhuna delas persiste mas esse pe parece que doi mais, eu perguntei a ele na epoca oq isso poderia causar ele disse q nada so dor mesmo, nunca precisei tomar remedio pra isso, mas quando doi me incomoda muito e agora isso vai doer minha vida tenho medo de quando chegar nos meus 40 isso me dar problema.

Vanessa Facina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rosangela Lopes disse...

levo choque no tornozelo direito não é sempre é derrepente posso estar em per ou não é muito forte o choque não sei o que é e cria um inchaço mole no local

Unknown disse...

Por que as perguntas no são respondidas?

Enviar um comentário