sábado, 16 de fevereiro de 2013

Prótese da anca

A prótese da anca, ou artroplastia da anca, consiste na substituição cirúrgica de toda ou parte da articulação da anca por um dispositivo artificial. Este visa permitir uma melhoria considerável na mobilidade e a redução da dor associada aos movimentos e às actividades funcionais.
Consideram-se 2 tipos de artroplastia da anca:
Artroplastia total da anca: as componentes articulares do fémur e do acetábulo são substituídos. Estas podem ser:
  • Artroplastia total da anca convencional: a peça utilizada para substituição da componente femoral inclui a cabeça e o colo do fémur.
  • Artroplastia total da anca de revestimento: a peça utilizada para substituição da componente femoral apenas inclui a superfície da cabeça femoral.

Hemiartroplastia: apenas a superfície articular da cabeça do fémur é substituída. Estas podem ser:
  • Hemiartroplastias unipolares: substituição da cabeça e do colo do fémur
  • Hemiartroplastias bipolares: substituição da cabeça e do colo do fémur, com a adição de um componente acetabular (que se encaixa no copo acetabular existente).
  • Hemiartroplastias de revestimento: substituição da superfície da cabeça femoral. 
-->


Esta cirurgia é indicada quando:


Artroplastia total da anca:
  • Dor e incapacidade devido a artrose da anca ou artrite inflamatória na articulação da anca, onde a onde o tratamento não-cirurgico falhou e a qualidade de vida está significativamente comprometida.
  • Fractura proximal do fémur.
  • A artroplastia total da anca de revestimento pode ser considerada um jovem com artrose mas com um bom suporte ósseo (a vantagem é que o colo do fémur é preservado, o que pode ser vantajoso se mais tarde for necessária uma artroplastia convencional)

Hemiartroplastia: normalmente indicada para pacientes com fractura do colo do fémur, que preencham os seguintes critérios:
  • Pobre estado de saúde/fragilidade geral.
  • Fractura de quadril derivada a patologia óssea.
  • Osteoporose grave.
  • Redução fechada mal sucedida.
  • Doenças pré-existentes da anca (por exemplo, artrite reumatóide, necrose avascular).
  • Doença neurológica.

-->

Cuidados antes da operação


          Uma avaliação pré-operatória deve ocorrer até seis semanas antes da operação. Esta deve incluir a identificação de doenças crónicas e outros exames de rotina pré-operatória. No entanto, um rastreio de saúde geral, deve ter sido realizado pelo médico de família antes do encaminhamento para a especialidade médica.
Devem ser dadas ao paciente informações sobre a cirurgia, incluindo os riscos e possíveis complicações. Preferencialmente o paciente deve receber um dossier com informações sobre a cirurgia, a preparação e o pós-cirurgico.
Terá de assinar um termo de consentimento informado, em que alegará que a intervenção a que será sujeito é do seu conhecimento, que todos os procedimentos inerentes a ela lhe foram esclarecidos e que autoriza a sua execução.

Escolha do material da prótese e da técnica cirúrgica


Existem muitos tipos diferentes de próteses disponíveis para a artroplastia da anca. Os materiais usados incluem o metal, polietileno e a cerâmica. Os métodos de fixação incluem polimetilmetacrilato (PMMA) de cimento, fixação com parafuso, prensa não-cimentada e por fixação porosa.
A classificação mais simples e comummente utilizada é se as próteses são:
  • Cimentadas
  • Não cimentadas.
  • Híbridas (uma haste cimentada com um copo não cimentado).

O cirurgião pode ter preferência por um implante em particular, dependendo de factores como a sua formação e a opinião de outros colegas. A idade e problemas de saúde anteriores à cirurgia também podem influenciar a escolha do dispositivo, por exemplo, em pacientes jovens será importante pensar numa abordagem que facilite uma provável revisão da prótese. Regra geral menos de 10% das próteses necessitam de fazer revisão do material antes dos 10 anos.
Próteses cimentadas: são utilizadas na maioria dos casos, tendem a fixar bem e a mobilização precoce é geralmente possível. No entanto existe a possibilidade de uma reacção ao cimento, o que pode afectar o osso circundante.
Próteses não cimentadas: estas são geralmente mais fáceis de rever (uma vantagem em pessoas mais jovens com esperança de vida maior que a da prótese), mas pode levar mais tempo a iniciar a mobilização, a reabilitação é mais lenta.

Cuidados no pós-cirurgico


Você terá pontos ou agrafos ao longo da incisão feita para a cirurgia ou uma sutura sob a pele. Os agrafos ou pontos serão removidos cerca de duas semanas após a cirurgia. Evite que a ferida fique húmida até que tenha fechado completamente. Poderá utilizar um curativo sobre a ferida para evitar a fricção da roupa.
Deve ser iniciado o quanto antes um programa de fisioterapia para recuperação de amplitudes articulares, estimulação da cicatrização, fortalecimento muscular e reeducação da marcha, que deve incluir:
  • Aconselhamento sobre os movimentos que poderá fazer e aqueles que deverá evitar.
  • Mobilização articular passiva da anca, progredindo para activa e resistida.
  • Fortalecimento muscular estático dos músculos da coxa e anca
  • Massagem de descolamento da cicatriz assim que esta esteja completamente fechada
  • Treino de marcha, iniciando com canadianas.

Alguma perda de apetite é comum até algumas semanas após a cirurgia. Uma dieta equilibrada, muitas vezes com um suplemento de ferro, é importante para promover a cicatrização apropriada dos tecidos e restaurar a força muscular. Certifique-se de que bebe muitos líquidos.
Dependendo da sua condição física e de saúde antes da cirurgia você deverá ser capaz de retomar as actividades normais da vida diária dentro de 3-6 semanas após a cirurgia. Algum desconforto com a actividade e à noite é comum nas primeiras semanas.
Cerca de 80% das pessoas conseguem um bom resultado na melhoria da mobilidade e diminuição da dor. Uma equipa multidisciplinar, incluindo cirurgiões, enfermeiros, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, contribui para o sucesso global da artroplastia total da anca. 
A taxa de mortalidade em 30 dias após a cirurgia é de cerca de 0,5%. Nas artroplastias totais da anca, devido a uma fractura, a taxa de mortalidade em 30 dias é de 2,4%. Cerca de 3% das próteses totais da anca necessitam de revisão antes dos 11 anos. Há uma prevalência de 1% de infecções da prótese.

Exercícios terapêuticos para a prótese da anca


Os seguintes exercícios são geralmente prescritos durante a reabilitação de uma prótese da anca. Deverão ser realizados 2 a 3 vezes por dia e apenas na condição de não causarem ou aumentarem os sintomas.


Flexão/extensão do joelho
Deitado, com o calcanhar apoiado no chão, puxe o pé em direcção à bacia. Retorne lentamente o pé à posição inicial.
Repita entre 15 e 30 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.




 Fortalecimento do quadricípite
Deitado, com um rolo sob o joelho. Contraia o musculo da coxa e perna de forma a esticar o joelho e puxar a ponta do pé para si.
Repita entre 8 a 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.



 

Mobilização da coxo-femural
Deitado, com o joelho dobrado. Rode a perna para fora. Retorne lentamente à posição inicial.
Repita entre 8 e 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.




Fortalecimento dos extensores da anca
Deitado, com os braços ao longo do corpo, eleve a bacia até coxas e costas ficarem alinhadas no mesmo plano. Retorne lentamente à posição inicial.
Repita entre 8 e 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.
  



Antes de iniciar estes exercícios você deve sempre aconselhar-se com o seu fisioterapeuta.


Parvizi J, Ereth MH, Lewallen DG. Thirty-day mortality following hip arthroplasty for acute fracture. J Bone Joint Surg Am. 2004 Sep;86-A(9):1983-8.
Minns Lowe CJ, Barker KL, Dewey ME, Sackley CM. Effectiveness of physiotherapy exercise following hip arthroplasty for osteoarthritis: a systematic review of clinical trials. BMC Musculoskelet Disord. 2009;10:98.

8 comentários:

fil disse...

Foi-me feita uma PTA há duas semanas e tenho seguido os vossos exemplos com um resultado muito bom. Obrigado pelo vosso belo trabalho. Filipe Santos

João Maia disse...

Muito obrigado pelo comentário Filipe! Este tipo de feedback dos utilizadores é muito importante para motivar a continuação deste projecto.

Atentamente

João Maia

vitordalmeida disse...

Fiz uma PTA á três meses e meio, não me foi marcado qualquer tratamento de fisioterapia, ainda ando com uma canadiana, e quando tento andar sem a canadiana, fico com dores no joelho, será que preciso mesmo de fisioterapia?

Maria do Rosario Brites disse...

Fiz PTA á dois meses e meio em já ando sem as 2 canadianas mas sinto muitas picadas como se fossem agulhas. Quando ando muito apoio-me numa canadiana mas sinto dor no quadril. Será normal?

Vítor Arrenega disse...

Tenho arteiros no lado esquerdo da anca, quais os exercícios apropriados para aliviar a dor?

Vítor Arrenega disse...

Tenho arteiros no lado esquerdo da anca, quais os exercícios apropriados para aliviar a dor?

jorge disse...

Fui operado há 1 mês e sete dias e ainda não chegaram de parte do hospital as credenciais para iniciar as sessões de fisioterapia mas ao ler este vosso artigo irei começar a fazer os exercicios com cuidado bem hajaam.

jorge disse...

Fui operado há 1 mês e sete dias e ainda não chegaram de parte do hospital as credenciais para iniciar as sessões de fisioterapia mas ao ler este vosso artigo irei começar a fazer os exercicios com cuidado bem hajaam.

Enviar um comentário