sábado, 2 de fevereiro de 2013

Luxação da articulação acromioclavicular


A articulação acromioclavicular é formada pela extremidade externa da clavícula e pelo acrómio (processo ósseo que se projecta para a frente a partir da parte superior da cintura escapular e palpável na parte mais alta do ombro).
Os dois ossos são unidos directamente pelo ligamento acromioclavicular. Existem outros dois ligamentos importantes para a estabilidade desta articulação: o ligamento coracoclavicular, que une a clavícula ao processo coracóide; e o ligamento coracoacromial, que une o acrómio ao processo coracóide e é muito importante para manter a correcta posição da cabeça do úmero durante os movimentos de elevação a mais de 90o.
As lesões nas articulações acromioclaviculares são comuns e muitas vezes observadas após quedas de bicicleta, em desportos de contacto e em acidentes de carro. Dependendo da gravidade da lesão, a pessoa pode romper um ou todos os ligamentos. As rupturas mais graves poderão levar a uma separação da articulação e a uma deformação facilmente visível.
Lesões da articulação acromioclavicular são o achado mais comum nas consultas médicas após uma lesão traumática no ombro (a luxação do ombro é a segunda mais comum), e os homens entre os 20-40 anos são os mais afectados. A maioria das lesões envolve rupturas incompletas dos ligamentos.

Sinais e sintomas/ Diagnóstico

Imediatamente após a lesão sentirá sensibilidade e inchaço generalizados do ombro. No entanto, à medida que a dor vai diminuindo, poderá transformar-se num ponto específico sobre a articulação que apresente sensibilidade e dor ao toque e em determinados movimentos.
Poderá observar-se um abaulamento ou proeminência significativa da extremidade distal da clavícula.
Muitas pessoas têm dor nocturna e acordam por causa da dor quando rodam para o lado do ombro afectado.
Raramente, o paciente relata estalos ou prisão da articulação acromioclavicular.
As lesões da acromioclavicular podem são classificadas de 1-6, utilizando a escala de Rockwood, dependendo da extensão da lesão no ligamento e do espaço entre o acrómio e a clavícula.
  • Grau 1 equivalem a um estiramento simples da articulação, 
  • Grau 2 envolve a ruptura do ligamento acromioclavicular, 
  • Grau 3 envolve a ruptura dos três ligamentos da articulação e que geralmente resulta num deslocamento superior da clavícula. Deste ponto em diante, a escala e o grau de lesão depende do grau de deslocamento da clavícula. 
  • Grau 4 envolve deslocamento superior e posterior, 
  • Grau 5 envolve um deslocamento superior, 3-5 vezes maior que o normal espaço coracoclavicular. Nos graus 3, 4 e 5 a extremidade da clavícula estará bastante mais saliente. 
  • No grau 6, acontece o contrário, a saliência da clavícula desaparece em consequência da ruptura de ligamentos e do deslocamento inferior deste osso.
Uma boa avaliação, incluindo uma história clínica e exame atento do ombro, é geralmente suficiente para diagnosticar uma luxação da acromioclavicular. No entanto exames adicionais, como raio-x poderão ser pedidos para avaliar o grau da lesão. Uma RM pode ser necessária se houver suspeita de comprometimento dos nervos do plexo braquial.

Tratamento

          A maioria das luxações de grau 1, 2 e 3 da acromioclavicular não necessitam de cirurgia e respondem bem ao tratamento adequado de fisioterapia. A maioria das pessoas se recuperar totalmente, sem quaisquer problemas, no entanto sobrecarga atletas e operários podem ter sintomas persistentes e requerem cirurgia. O tratamento inclui:
Descanso: repouse de todas as actividades que causam dor. Principalmente de actividades que envolvam elevação do braço ou levantamento de pesos.
Gelo: Aplique uma compressa de gelo na área lesada, colocando uma toalha fina entre o gelo e a pele. Use o gelo por 20 minutos e depois espere pelo menos 40 minutos antes de aplicar gelo novamente.
Analgésicos e anti-inflamatórios não-esteróides poderão ser receitados pelo médico para controlar o processo inflamatório e aliviar as dores.
         O seu fisioterapeuta poderá aplicar uma ligadura com tape para estabilizar e dar suporte à articulação.
         Assim que a dor permita (geralmente entre 7-14 dias após a lesão) deve iniciar um plano de exercícios com o objectivo de restaurar a mobilidade articular do ombro, e de reeducar o normal funcionamento das articulações do ombro.
      Gradualmente deverão ser introduzidos exercícios de fortalecimento muscular da região do ombro, preferencialmente em posições de estabilidade da articulação (abaixo dos 90o, em rotação externa, com o braço ligeiramente afastado do tronco).
A cirurgia é indicada para algumas luxações de grau 3 e para todas as luxações de grau 4,5 e 6. Nestas ultimas a clavícula deve ser realinhada pelo ortopedista e sob anestesia, seguida de fixação cirúrgica com placa e parafusos.
Para algumas luxações de grau 3 ou para pacientes que ainda apresentem dor e limitação funcional 3-6 meses após a lesão, é geralmente indicada a artroscopia para remoção do tecido lesado combinada com a descompressão do espaço subacromial.

Exercícios terapêuticos para as luxações da acromioclavicular

Os seguintes exercícios são geralmente prescritos durante a reabilitação de uma luxação da acromioclavicular. Deverão ser realizados 2 a 3 vezes por dia e apenas na condição de não causarem ou aumentarem os sintomas.

Adução das omoplatas
Em pé ou sentado, com os cotovelos dobrados. Puxe os ombros e cotovelos para trás e para baixo. Mantenha a posição durante 8 segundos. Retorne lentamente à posição inicial.
Repita entre 8 a 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma. 




 

Fortalecimento dos adutores da omoplata
De joelhos ou em pé, com ombros e costas alinhados e cotovelos a 90o. Puxe os cotovelos para trás mantendo a posição dos ombros. Retorne lentamente à posição inicial.
Repita 8 a 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma



Mobilização da cintura escapular
Em pé, com as costas alinhadas e o ombro posicionado para baixo e para trás. Vá subindo com a mão pela parede, ao mesmo tempo mantenha a posição do ombro, em baixo e para trás.
Repita 15 a 30 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma




Antes de iniciar estes exercícios você deve sempre aconselhar-se com o seu fisioterapeuta.

15 comentários:

Dianine Santos disse...

Perfeito! Me ajudou bastante no meu trabalho sobre essa articulação!

Lessandro Alberini disse...

Excelente texto, consegui visualisar e complementar o entendimento sobre minha lesao apos a consulta com o medico. Obrigado!

Carlos Machado disse...

Eu tive um pequeno acidente, sinto dores no ombro e uma enorme deficuldade em mexer o braco no sentido vertical, gostaria de saber que tipo de grau de lesao tenho de 1 a 6 e exercicios a efetuar.

andre disse...

Eu tive a luxação AC grau 2, ainda tenho uma leve deformação no ombro porém consigo realizar qualquer movimento com o ombro. Hojé faço musculação e escuto uns estalos no ombro que machuquei, será que tenho risco de aumentar o grau da Luxação ainda? me machuquei a 10 meses atras.
Agradeço se puderem me dar uma resposta.
OBG.

felipe santos Santos disse...

ANDRÉ TAMBÉM TO COM ESSE PROBLEMA luxação AC grau 2 DES DO INICIO DE DEZEMBRO 2015 HOJE USO UMA TIPOIA , QUERIA SABER QUANTO TEMPO DEMOROU PRA FICA COM O OMBRO BOM , FEZ ALGUM TRATAMENTO , E SE FEZ QUAL FOI ? PQ NO MEU CASO JA FUI EM 2 ORTOPEDISTA E SEMPRE A MESMA COISA GELO E DESCANSO , SO QUE VAI PRA 2 MESES QUE SINTO MEU OMBRO DOLORIDO NAO MUITO ,MAS AQUELA DORZINHA ENJOADA SEM CONTA OS ESTALOS QUE AS VEZES DA .. FICO GRATO PELA AJUDA

andre disse...

Então felipe, Não sei se o ombro esta bom bom, Passei pelo terceiro ortopedista semana passada, ele disse que o ombro esta bom mas não voltara mais ao normal na questão estética.
Eu fiz fisioterapia ajudou com relação a dor, hoje só sinto os estalos mesmo no dia a dia.

Henrique Viana disse...

Olá Doutor, meu nome é Henrique tenho 27 anos e tive a LAC 5 treinando Jiu Jitsu no dia 25/01/16, operei no dia 02/02/16 e até hoje (25/02/16) ainda estou com muita limitação nos movimentos e bastante incômodo afetando inclusive cotovelo e punhos. Em março vou começar as sessões de fisioterapia. Bom, as perguntas são: quais as chances que tenho de retornar à praticar esportes? Tempo médio de recuperação? E se essa dor e falta de movimento do braço é normal mesmo após 1 mês? Desde já agradeço

DarkNews pf disse...

Boa Tarde, Dr. tive um desvio simples no acrômio-clavicular, ja estar com 1 ano, de vez em quando volto para academia fazer manguitos e outro mas nao sara de vez para que eu posso fazer meus supinos e flexão. oque eu posso fazer me ajuda. Obrigado

Antônio Eric disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Antônio Eric disse...

O médico não responder não adianta perguntar nada ,,,

Unknown disse...

OLÁ !1 TENHO LUXAÇÃO DO TIPO 3, E NÃO FIZ NENHUM TIPO DE CIRURGIA. TENHO UM COROÇO EM MEU OMBRO DEVIDO A LUXAÇÃO,SENDO Q FAÇO TODOS OS MOVIMENTOS SEM SENTIR DOR NENHUMA.. POSSO FAZER MUSCULAÇÃO ??

maicon silva disse...

Olá a mais ou menos 3 anos atrás em uma queda de moto foi constatado uma luxação da acromioclavicular grau 2, sou operário e também prático vários esportes inclusive musculação as vezes sinto um desconforto,mas o que me incomoda muito é a estética, pois ficou um caroço alto no ombro, gostaria de saber como proceder pra resolver , se o procedimento cirúrgico ou não,o que devo fazer para resolver?

maicon silva disse...

Olá a mais ou menos 3 anos atrás em uma queda de moto foi constatado uma luxação da acromioclavicular grau 2, sou operário e também prático vários esportes inclusive musculação as vezes sinto um desconforto,mas o que me incomoda muito é a estética, pois ficou um caroço alto no ombro, gostaria de saber como proceder pra resolver , se o procedimento cirúrgico ou não,o que devo fazer para resolver?

Jeovani da silva carvalho disse...

Eu física cirurgia em 02/12/2016
Luxação acromio clavícular e comecei a fazer fisioterapia em 24/02/2017
Mais até agora eu não consigo levantar o braço pra cima ainda totalmente,também ainda sinto muito dor na região da cirurgia.
Pós estou preocupado não pensava que fosse tão demorado assim a recuperação.

Jeovani da silva carvalho disse...

Eu física cirurgia em 02/12/2016
Luxação acromio clavícular e comecei a fazer fisioterapia em 24/02/2017
Mais até agora eu não consigo levantar o braço pra cima ainda totalmente,também ainda sinto muito dor na região da cirurgia.
Pós estou preocupado não pensava que fosse tão demorado assim a recuperação.

Enviar um comentário