sábado, 22 de dezembro de 2012

Torcicolo


O torcicolo manifesta-se sob a forma de contracções involuntárias dos músculos do pescoço, levando a posturas e movimentos anormais da cabeça.
Um torcicolo é sempre um sintoma originado por outra disfunção e nunca uma disfunção em si.
As contracções involuntárias, ou espasmos musculares, característicos do torcicolo, podem resultar de qualquer lesão ou inflamação da musculatura cervical, principalmente do esternocleidomastoideu, da compressão dos nervos que saem da espinhal medula ou de disfunções articulares da coluna cervical (hérnia discal cervical, síndrome das facetas interapofisárias).
Menos frequentemente o torcicolo também poderá ser secundário a uma infecção que envolva tecidos adjacentes ou estruturas do pescoço, incluindo faringite, amigdalite, sinusite, otite média, mastoidite, tuberculose, abscesso nasofaríngeo, infecções respiratórias e pneumonias do lobo pulmonar superior.
A maioria dos pacientes com torcicolo não consegue descrever o que originou os sintomas ou refere que surgiram depois de dormir numa posição desconfortável. No entanto existem actividades da vida diária, que, se realizadas de forma repetitiva, podem contribuir para um torcicolo. Estas incluem: a má postura (curvado para a frente), especialmente durante o sono ou sentado, actividades utilizando os braços à frente do corpo (como lavar pratos ou conduzir) e elevação de pesos acima da altura da cabeça. Ocasionalmente, um torcicolo pode ocorrer após um movimento trivial envolvendo flexão ou rotação do pescoço.
O torcicolo agudo desenvolve-se frequentemente durante a noite e resulta em dor e espasmos no pescoço palpáveis na manhã seguinte. Os sintomas geralmente desaparecem espontaneamente dentro de alguns dias e não duram mais do que 1-2 semanas.

Sinais e sintomas/ Diagnóstico

  • Dor e rigidez do pescoço
  • Diminuição da amplitude de movimento
  • O início é geralmente súbito.
  • O paciente apresenta-se com a cabeça inclinada para o lado afectado e o queixo apontado em direcção ao ombro oposto.

Uma história completa e exame físico são necessários para identificar as causas do torcicolo, e diagnosticar a patologia inerente a este. A faringe posterior deve ser examinada para detectar sinais de inflamação ou infecção. O pescoço deve ser palpado para identificar massas, adenopatias, ou sensibilidade localizada. Um exame neurológico completo deve ser realizado, incluindo testes de força, deficits sensoriais. Exames adicionais com a TAC ou RM poderão ser indicadas para despistar outro tipo de patologias.

Tratamento

Numa fase inicial, em que os sintomas estão bastante exacerbados o tratamento deve incluir:
Repouso no leito, numa posição que seja confortável
A aplicação de calor local ou um banho quente pode ajudar a aliviar os espasmos musculares
Medicação
Deverá aconselhar-se com o seu médico antes de iniciar qualquer medicação. Nos casos de dor persistente a medicação analgésica, quando tomada de uma forma regular durante um período determinado de tempo poderá ajudá-lo a manter-se activo.
O paracetamol é geralmente suficiente se tomado de forma regular. Para um adulto, isto significa 1000 mg (geralmente dois comprimidos de 500 mg), quatro vezes ao dia.
Analgésicos anti-inflamatórios. Poderão ser uma opção ao paracetamol. Eles incluem o ibuprofeno, o diclofenaco ou naproxeno.
Um relaxante muscular, como o diazepam é prescrito às vezes por alguns dias, se os músculos do pescoço estiverem muito tensos e desencadearem a dor.
Fisioterapia
  • Exercícios de correcção postural, como RPG e Pilates poderão ser benéficos para o alongamento progressivo da musculatura encurtada.
  • Um plano de exercícios terapêuticos deverá ser elaborado pelo seu fisioterapeuta de forma a fortalecer os músculos que suportam a coluna e estimular os estabilizadores.
  • A aplicação de calor antes dos exercícios para aumentar a irrigação sanguínea e de gelo no final para prevenir sinais inflamatórios.
  • Electroterapia: aplicação de TENS na região dos músculos encurtados, com o objectivo de controlar a inflamação e reduzir a dor.
  • Mobilização e manipulação articular, com o objectivo de realinhar a articulação e de lhe restaurar a normal mobilidade. Devem ser realizadas por profissionais experientes e apenas após a confirmação do diagnóstico.
  • Massagem de mobilização dos tecidos moles.
  • Modificar actividades e posturas de forma a manter-se activo, sem agravar os sintomas.


Exercícios terapêuticos para os torcicolos

Os seguintes exercícios são geralmente prescritos durante a reabilitação de um torcicolo. Deverá ser realizado 2 a 3 vezes por dia e apenas na condição de não causar ou aumentar os sintomas.



 

Correcção postural da cervical e ombros
Em pé ou sentado, rode os ombros para trás e para baixo, enterre o queixo e imagine que tem uma linha a puxar-lhe o topo da cabeça. Mantenha esta posição durante 20 segundos.
Repita entre 8 a 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.



 Posição de congruência das facetas articulares
Deitado, apoie-se nos cotovelos. Mantenha a posição durante 30 a 90 segundos. Retorne lentamente à posição inicial.
Repita entre 2 a 4 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.


Antes de iniciar estes exercícios você deve sempre aconselhar-se com o seu fisioterapeuta.


1 comentário:

Heber Silva Pinho disse...

Fiz essa cirurgia há uma semana tenho 17 anos e já senti muita diferença, foi uma cirurgia super tranquila, anestesia geral, duração foi de uns 40 minutos a 1 hora, o tipo de cirurgia que o DR. Rafael usou foi dois cortes um na região do peito e outro no pescoço e retirou o nervo esterno, a recuperação pós cirúrgica é bem rápido sendo que hoje mesmo retirei os pontos, o doutor disse que com fisioterapia vai voltando a postura normal. Torcicolo Congênito é um problema simples que ainda é confusão na mente de muita gente. se você tem esse problema procure um médico otorrinolaringonologista, especialista em cirurgia da cabeça e pescoço minha cirurgia custou R$2500,00 mas um dinheiro que eu tive o prazer de investir :-) espero ajudar

Enviar um comentário