quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Disfunção da articulação sacroilíaca


As articulações sacroilíacas estão localizadas na parte inferior das costas, entre o sacro (vértebras S1-S5) e os ilíacos (ossos que formam a bacia), e compõem a parte posterior da cintura pélvica (bacia).
A articulação normalmente tem as seguintes características:
  • Pequena mas muito forte, reforçada por ligamentos fortes que o rodeiam
  • Não tem muito movimento
  • Transmite todas as forças da parte superior do corpo para a pélvis (bacia) e pernas
  • Funciona como uma estrutura de absorção de choques

Disfunção da articulação sacroiliaca é um termo comummente utilizado para descrever um conjunto de lesões que afectam esta articulação, e que podem dever-se: ao excesso de movimento (hipermobilidade ou instabilidade), esta condição é geralmente mais comum em mulheres jovens e de meia-idade, associada à laxidez ligamentar. 
A outra causa de dor na sacroiliaca tem a ver com falta de movimento (hipomobilidade ou fixação) esta condição é geralmente mais comum em homens de meia-idade e está geralmente associada à falta de flexibilidade combinada com um bloqueio articular, provocado por um movimento brusco e em carga.

Sinais e sintomas/ Diagnóstico

Excesso de movimento - hipermobilidade ou instabilidade. A dor geralmente é sentida na região lombar e/ou anca e pode irradiar para região da virilha.
Falta de movimento - hipomobilidade ou fixação. A dor geralmente é sentida num dos lados da região lombar ou nas nádegas, e pode irradiar para a perna. A dor geralmente permanece acima do joelho, mas poderá estender-se até o tornozelo e pé. A dor é semelhante à dor ciática, dor que se irradia para o nervo ciático e é causada por uma radiculopatia.
Uma boa avaliação, incluindo uma história clínica, exame da anca, lombar e sacroiliaca, exame neurológico e vascular dos membros inferiores são necessários para ajudar ao diagnóstico de uma disfunção da articulação sacroiliaca. A confirmação do diagnóstico muitas vezes começa com um raio-X à pélvis, no entanto, a ressonância magnética (RM) é o principal meio de diagnóstico, pois permite visualizar a articulação e estruturas adjacentes em detalhe.

Tratamento

            O tratamento em fisioterapia, na fase inicial, consiste e controlar os sinais inflamatórios, através de:
Descanso: repouse de todas as actividades que causam dor. Se dormir de lado deve colocar uma almofada entre as pernas.
Gelo: Aplique uma compressa de gelo na área lesada, colocando uma toalha fina entre o gelo e a pele. Use o gelo por 20 minutos e depois espere pelo menos 40 minutos antes de aplicar gelo novamente.
Analgésicos e anti-inflamatórios não-esteróides poderão ser receitados pelo médico para controlar o processo inflamatório e aliviar as dores.
Após a fase inflamatória (2-3 dias) o seu fisioterapeuta poderá recorrer às seguintes técnicas para restaurar o normal funcionamento da articulação:
  • Electroterapia: correntes interferenciais e ultra-som na região dos ligamentos posteriores da articulação, com o objectivo de reduzir o edema e controlar a inflamação.
  • Mobilização e manipulação articular, com o objectivo de realinhar a articulação e de lhe restaurar a normal mobilidade. Também devem ser incluídas mobilizações da coluna lombar.
  • Exercícios para fortalecimento muscular, em particular dos glúteos, piramidal e psoas-iliaco.
  • Assim que os sintomas tiverem desaparecido deve ser iniciada a reintrodução gradual à actividade. 

Nos casos de afecção da articulação sacroiliaca é fundamental seguir criteriosamente as indicações do plano de tratamento, sob a pena de provocar um novo processo inflamatório da articulação, caso esta sofra uma carga para a qual não está preparada.

Exercícios terapêuticos para as disfunções da articulação sacroilíaca

Os seguintes exercícios são geralmente prescritos durante a reabilitação de uma disfunção sacroilíaca. Deverão ser realizados 2 a 3 vezes por dia e apenas na condição de não causarem ou aumentarem os sintomas.


Fortalecimento do transverso do abdómen
Deitado, com o elástico à volta da cintura. Pressionar o fundo das costas contra o chão e tentar diminuir o diâmetro da cintura. Mantenha a contracção durante 8 segundos. Retorne lentamente à posição inicial.
Repita entre 8 e 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.



 Alongamento da inserção dos isquio-tibiais e glúteo.
Deitado, com o fundo das costas bem apoiado e as mãos no joelho. Tente chegar o joelho o mais próximo do peito possível. Alivie lentamente a pressão.
Repita entre 5 e 10 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.



Fortalecimento dos adutores da coxa
Deitado de lado, com o braço puxe a perna superior para a frente da bacia. Faça pequenos círculos no ar com a outra perna.
Repita entre 8 a 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.



  
Antes de iniciar estes exercícios você deve sempre aconselhar-se com o seu fisioterapeuta.

Poley RE, Borchers JR. Sacroiliac joint dysfunction: evaluation and treatment. Phys Sportsmed. 2008 Dec;36(1):42-9.
Forst SL, Wheeler MT, Fortin JD, Vilensky JA. The sacroiliac joint: anatomy, physiology and clinical significance. Pain Physician. 2006 Jan;9(1):61-7.

1 comentário:

Saturnino Estrada disse...

Muito bom... Acho que estou com uma disfunção na sacroiliaca. Tenho uma deformação nas costelas por choque; a lateral de meu tronco está enfraquecida; toda a carga está sendo transmitida para a articulação... Tem também os péssimos hábitos posturais... Achava que minhas dores poderiam se hernia de disco, mas talvez seja menos grave...

Publicar um comentário