terça-feira, 29 de janeiro de 2013

O contributo da osteopatia para a fertilidade feminina!


Entrevista com:
Fisioterapeuta João Tedim
 P.: Para a maioria da população geral, a osteopatia ainda é pouco conhecida. Consegue resumir-nos os princípios gerais da osteopatia e explicar-nos as principais diferenças para a fisioterapia convencional?
A Osteopatia é uma abordagem de diagnóstico e terapia manual das disfunções de mobilidade articular e tecidular em geral, no que diz respeito à sua influência no aparecimento das patologias.
É uma escola de medicina que se baseia na teoria de que o corpo é um organismo vital onde a estrutura e a função estão em relação direta. A doença é uma alteração desta relação, e o papel da Osteopatia é uma correção manipulativa dessas anomalias.

A Osteopatia foi desenvolvida pelo médico Dr. A. T. Still desde 1874 nos Estados Unidos, como uma disciplina da medicina, tendo criado a primeira escola em 1892. Desde então foi sendo desenvolvida e espalhada por todo o mundo, sendo considerado um método de tratamento holístico, completo e global.

Desde o seu início, a Osteopatia apoia-se em 4 princípios fundamentais:
•   A estrutura governa a função: se a estrutura (ossos, músculos, órgãos…) apresentarem boa mobilidade, a sua função (de mobilidade, respiratória, cardíaca, digestiva…) será a desejável e a doença será prevenida.
•   A unidade do corpo: o bem-estar do ser humano é ótimo quando existe equilíbrio no organismo (orgânico, articular, postural, Homeostasia).
•   A lei da artéria: o sangue é o meio de transporte dos elementos que asseguram a imunidade natural do organismo. Uma alteração leva a uma pobre circulação arterial, e como consequência o retorno venoso será mais lento e provocará acumulação de toxinas, o que facilita o aparecimento da patologia.
•   A lei da auto-cura: se todas as condições anteriores estiverem presentes, o corpo tem em si mesmo todos os meios e a capacidade para eliminar ou suprimir a patologia e a ausência de saúde.
A patologia/ doença é uma reação total do organismo, uma vez que uma estrutura ou uma função anormal de uma parte do corpo terá uma influência anormal sobre o corpo inteiro.
A disfunção osteopática (articular, fascial, visceral ou craneal) pode ser definida como uma alteração da mobilidade de um tecido ou elemento articular, e o tratamento manual da disfunção consiste na normalização da função, que interrompe o arco reflexo patológico e favorece a resolução total ou parcial do processo patológico.
O tratamento é feito através de manipulações articulares, técnicas estruturais, funcionais, articulatórias, de stretching, de músculo-energia, miofasciais…

São indicações do tratamento osteopático:
•   Disfunções Músculo-Esqueléticas: todos os tipos de dores na coluna (cervical, torácica, lombar, bacia) protusão e hérnia discal, pubalgia, bloqueios articulares, alterações fasciais, posturais…
•  Disfunções Viscerais: refluxo gastro-esofágico, hérnia de hiato, alterações respiratórias e cardíacas, prostatites, cistites, alterações de fígado e vesícula biliar, ptose abdominal, obstipação intestinal (prisão de ventre)
•  Disfunções Craneanas: cefaleias e enxaquecas, distúrbios visuais e auditivos, otites, rinites, zumbidos, acúfenos, alterações vestibulares e do equilíbrio, vertigens, disfunções da articulação temporo-mandibular (dor ao mastigar, abrir a boca…)
•  Disfunções Ginecológicas: alterações do ciclo menstrual; síndrome pré-menstrual; dores menstruais, alterações hormonais, incontinência urinária e outras alterações urinárias, infertilidade
Acima de tudo, a grande diferença em relação à Fisioterapia convencional, é a importância que a Osteopatia dá à componente craneal e visceral e as suas relações/ influências no sistema músculo-esquelético e no aparecimento da dor e das disfunções orgânicas.


P.: Tem aplicado técnicas de osteopatia a mulheres com dificuldade em engravidar. Pode explicar-nos qual foi o seu raciocínio clínico para começar a adotar este tipo de intervenção?
Tudo começou quando surgiu na família um caso de infertilidade em que a abordagem médica tinha fracassado.
Portanto, tendo em conta os princípios da Osteopatia que referi anteriormente, se os elementos que contribuem para o bom funcionamento do aparelho reprodutor feminino apresentarem boa mobilidade, se forem bem inervados e irrigados, em teoria funcionariam bem!
Assim, fiz a minha avaliação e verifiquei que de facto alguns dos elementos estavam em disfunção, facto que fui verificando nas várias pacientes em que intervim. E ao ir normalizando estas disfunções, os resultados foram surgindo!

P.: E resultados? Sabendo que existem ainda poucos estudos que avaliem este tipo de intervenção, é um objetivo seu fazer investigação nesta área? Em que moldes?
Os resultados são muito, muito positivos! Até ao momento, a grande maioria dos casos tiveram sucesso!
De facto, é meu objetivo fazer uma investigação científica válida que comprove os bons resultados deste tipo de abordagem, muito provavelmente será o tema da minha tese de doutoramento.
A investigação nesta área é quase inexistente, uma vez que é muito difícil comprovar objetivamente e controlar todas as variáveis que interferem com esta disfunção.
Mas, com muito trabalho tudo se faz!!

 P.: Para as leitoras que estão a tentar engravidar, pode dar algumas dicas úteis?
Um aspeto fundamental que, não só a mulher, mas o casal deve ter muito em conta, é que o stress e a ansiedade perante a situação de infertilidade é um fator muito prejudicial. Para além disto, é preciso ter em conta, que o problema não é sempre da mulher! Pode ser do homem, ou até mesmo dos dois. Por isso é necessário fazer um estudo para identificar “quem é o problema”. Também o stress laboral ou social é um fator prejudicial.
Ao nível da alimentação, é benéfico ter uma dieta saudável e equilibrada de forma a não sobrecarregar os outros sistemas. Devem ser evitados os lácteos, os açúcares e o álcool.
E por fim, consultar um osteopata para obter ajuda.

Fisioterapeuta João Tedim
Fisioterapeuta e Osteopata na Clínica de Fisioterapia e Recuperação da Maia
Fisioterapeuta do clube de andebol Maiastars
Docente da Licenciatura em Fisioterapia – Universidade Fernando Pessoa
Docente da Pós-Graduação em Reabilitação no Desporto – Universidade Fernando Pessoa
Membro diretivo do Grupo de Interessem em Terapia Manual da Associação Portuguesa de Fisioterapeutas
 Resumo curricular
Licenciado em Fisioterapia – Universidade Fernando Pessoa
Certificate in Orthopaedic Manual Therapy – Curtin University, Australia
Osteopata C.O. – Escuela de Osteopatia de Madrid
Master en Técnicas Osteopáticas del Aparato Locomotor - Escuela de Osteopatia de Madrid / Universidade de Girona 

Sem comentários:

Publicar um comentário