segunda-feira, 22 de abril de 2013

Fractura dos metatarsos e dedos do pé


A estrutura do pé é complexa, formada de ossos, músculos, tendões e outros tecidos moles. Dos 26 ossos do pé, 19 são ossos dos dedos do pé (falanges) e os ossos metatarsos (ossos longos no médio-pé). Fracturas dos metatarsos e dos dedos do pé são comuns e requerem uma avaliação clínica cuidada. Estas fracturas dividem-se sobretudo em fracturas traumáticas e fracturas por stress.
Fracturas traumáticas são causadas por um golpe directo ou impacto no dedo e/ou pé. Se for uma fractura com deslocamento, o osso está partido de tal forma que os topos ósseos mudaram de posição relativa.
As fracturas por stress consistem numa fissura no osso provocada pela pressão de um esforço repetitivo, geralmente mais associado à prática desportiva. Também poderão ser causadas por uma estrutura anormal do pé, deformidades, osteoporose, ou calçado inadequado.

Sinais e sintomas/ Diagnóstico

Numa fractura traumática:
  • Por vezes o paciente ouve o ruído da fractura no momento da lesão
  • Dor localizada que aparece logo após o momento da fractura. No entanto, nos casos menos graves pode desaparecer ao final de umas horas.
  • Pode notar-se alguma saliência anormal por baixo da pele na zona da lesão.
  • Hematoma e inchaço no dia seguinte.
  • Não é verdade que "se consegue andar sobre o pé, ele não está partido." A avaliação clínica do pé e tornozelo é sempre recomendável.

Numa fractura de stress:
  • Dor durante ou após a actividade física
  • A dor desaparece quando está em descanso e retorna quando em actividade
  • Sensibilidade na zona da fractura e ligeiro inchaço

Uma boa avaliação clínica do pé e tornozelo é essencial para o diagnóstico de uma fractura dos metatarsos e dedos. Um raio-X é geralmente necessário para confirmar o diagnóstico e avaliar a gravidade da lesão. As fracturas de stress podem passar sem diagnóstico até ao final de 1-3 semanas, em que poderá ser palpável uma pequena elevação (calo ósseo) na zona da fractura. Um TC Poderá ser importante para confirmar o diagnóstico.

Tratamento

       O tratamento em fisioterapia, imediatamente após a lesão e enquanto o diagnóstico não está confirmado, consiste e controlar os sinais inflamatórios, através de:
Descanso: Evite caminhar ou estar muito tempo de pé. Se tiver de o fazer utilize canadianas. Andar a pé pode significar um agravamento da sua lesão.
Gelo: Aplique uma compressa de gelo na área lesada, colocando uma toalha fina entre o gelo e a pele. Use o gelo por 20 minutos e depois espere pelo menos 40 minutos antes de aplicar gelo novamente.
Elevação: O pé deve ser elevado um pouco acima do nível do seu coração para reduzir o inchaço.
Depois do diagnóstico confirmado, o tratamento das fracturas dos dedos inclui:
  • Descanso. Por vezes, é o suficiente para tratar uma fractura do dedo do pé.
  • Imobilização. O dedo do pé pode ser imobilizado com tape, normalmente unindo 2 dedos adjacentes.
  • Calçado com sola rígida, que protege os dedos do pé e ajuda-os a manterem-se na posição correcta.
  • Cirurgia. Se houver deslocamento dos topos ósseos ou se a articulação é tiver sido afectada, a cirurgia pode ser necessária. A cirurgia muitas vezes envolve o uso de dispositivos de fixação, tais como parafusos. Implica a imobilização durante 4-6 semanas

O tratamento das fracturas dos metatarsos inclui:
  • Descanso.
  • Evite a actividade física que provocou os sintomas. Canadianas são por vezes indicadas para descarregar o peso do para dar-lhe tempo para curar.
  • Imobilização gessada, ou sapato rígido. Um sapato de sola dura ou outra forma de imobilização pode ser utilizada para proteger o osso fracturado enquanto está em fase de cicatrização.
  • Cirurgia. Algumas fracturas traumáticas dos metatarsos requerem cirurgia, especialmente se houver um grande deslocamento dos topos ósseos.

No período após imobilização com gesso ou tala deve ser iniciado um programa de fisioterapia. As técnicas que revelam maior eficácia nesta condição:
  • Exercícios para melhorar a flexibilidade, força e equilíbrio (incluindo exercícios em carga)
  • A aplicação de calor antes dos exercícios para aumentar a irrigação sanguínea e de gelo no final para prevenir sinais inflamatórios.
  • Mobilização articular.
  • Educação do paciente e plano de retorno gradual à actividade.
  • Massagem de mobilização dos tecidos moles.

Exercícios terapêuticos para as fracturas dos metatarsos e dedos do pé

Os seguintes exercícios são geralmente prescritos após a confirmação de que a fractura está consolidada. Deverão ser realizados 2 a 3 vezes por dia e apenas na condição de não causarem ou aumentarem os sintomas.




Flexão/extensão do pé
Deitado, com o calcanhar fora da cama, puxe a ponta do pé e dedos para si, depois empurre pé e dedos para baixo.
Repita entre 15 e 30 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.





Inversão/eversão do
Deitado, com o calcanhar fora da cama, puxe a ponta do pé para cima e para fora, com a planta do pé virada para fora, depois empurre o pé para baixo e para dentro, com a planta do pé virada para dentro.
Repita entre 15 e 30 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.



Flexão resistida do
Sentado, com o elástico na ponta do pé. Puxe a ponta do pé para cima, depois deixe o pé voltar lentamente à posição inicial.
Repita entre 8 a 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.





Antes de iniciar estes exercícios você deve sempre aconselhar-se com o seu fisioterapeuta.

Albisetti W, Perugia D, De Bartolomeo O, Tagliabue L, Camerucci E, Calori GM. Stress fractures of the base of the metatarsal bones in young trainee ballet dancers. Int Orthop. 2010 Feb;34(1):51-5.
Buddecke DE, Polk MA, Barp EA. Metatarsal fractures. Clin Podiatr Med Surg. 2010 Oct;27(4):601-24.
Cakir H, Van Vliet-Koppert ST, Van Lieshout EM, De Vries MR, Van Der Elst M, Schepers T. Demographics and outcome of metatarsal fractures. Arch Orthop Trauma Surg. 2011 Feb;131(2):241-5.


5 comentários:

Maria disse...

Fiz fratura do 5º metatarso. Após retirada do gesso tive 15 dias com ligadura e, nesse período, já dava uns passos sempre apoiada com andarilho. Depois de tirar a ligadura (há 5 dias), o pé tem inchado bastante e doi-me ao caminhar - ainda coxeio - isto é normal? Será que estou a exagerar no caminhar? Só tenho consulta a 26 e Dezembro; devo procurar um ortopedista antes dessa data?

gean disse...

sofri um esmagamento do dedo ( dedão do pe direiro) ja tive 2 intervencao cirurgica so que as 2 nunca para de sair un liquido claro porem constante o que eu fasso

Maria Celia Rangel disse...

sofri uma fratura rachada no dedinho mindinho.já chegou nas fisioterapias são quantas vezes ?

Regina Pires Ribeiro disse...

ESTOU COM O DEDO DO PE´TRINCADO, É O DEDO QUARTO METATASIO. TEM 2 SEMANAS E DOI MUITO O QUE FAÇO? OBRIGADA. MEU HUMEI..... REGINAPIRESRIBEIRO@HOTMAIL.COM DEDE JA OBRIGADA

Rosangela Rodrigues disse...

Quebrei i quarto dedo do pé esquerdo, estive no hospital, fiz um RX e o médico mandou imobilizar com esparadrapo. Está correto? Quanto tempo leva para ficar bom?

Enviar um comentário