segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Tendinite dos adutores da coxa


Os adutores são um conjunto de músculos que se estendem pela face interna da coxa, desde a virilha até ao joelho. Este grupo muscular é composto por cinco músculos, que são divididos em adutores curtos e longos. O pectíneo, o adutor curto e o adutor longo vão desde a pélvis até ao fémur e por isso são denominadas adutores curtos. O adutor magno e o gracilis vão desde a pélvis até à face interna do joelho e por isso são denominados adutores longos.
A principal função dos adutores é puxar os membros inferiores para a linha média, um movimento chamado de adução. Durante a marcha, eles são activados para puxar o membro inferior oscilante para o centro de forma a manter o equilíbrio. Também são usados extensivamente na corrida, futebol, corrida de obstáculos e qualquer desporto que exija mudanças rápidas de direcção.
A tendinopatia dos adutores da coxa é uma lesão de sobreuso causada por pequenas lesões (conhecidas como microrupturas) associadas ao uso excessivo do tendão. Se, depois de cada microrupturas, não for dado tempo de recuperação suficiente, o tendão não se restabelece na totalidade. Isto significa que ao longo do tempo, os danos no tendão vão-se acumulando, podendo dar origem a uma tendinopatia dos adutores da coxa.
Estas lesões são mais frequentes no tendão do longo adutor, próximo à sua inserção na pélvis. Em alguns casos, a inflamação pode alastrar-se à sinfíse púbica e à inserção dos abdominais.
Caso continue a forçar em demasiado este grupo muscular, mesmo após os primeiros sintomas, existe a possibilidade de a condição evoluir para uma ruptura da unidade músculo-tendão dos adutores, tornando o prognóstico de recuperação bastante pior.
-->

Sinais e sintomas/ Diagnóstico

  • Dor na virilha, na inserção dos músculos adutores, que pode irradiar para a perna.
  • Dor no movimento de adução resistida (puxar a perna para dentro)
  • Dor à palpação da inserção dos adutores, próximo à pélvis.
  • Dificuldade em correr, especialmente em sprints e em mudanças de direcção.

Uma boa avaliação, incluindo uma história clínica e exame atento da anca, sínfise púbica e coxa são geralmente suficientes para diagnosticar uma tendinopatia dos adutores da coxa. Um raio-X ou ecografia podem ser pedidos para confirmar o diagnóstico e avaliar a gravidade da lesão.
-->

Tratamento

Uma vez que a tendinopatia dos adutores da coxa é uma das lesões tendinosas com maior risco de se tornar crónica, é imperativo que o tratamento comece logo que os primeiros sintomas são sentidos. O tratamento deverá incluir:
  • Descanso: Evite as actividades que originaram a dor. Por norma são aconselhados 5 dias de repouso até recomeçar com alguma actividade física suave.
  • Gelo: Aplique uma compressa de gelo na área lesada, colocando uma toalha fina entre o gelo e a pele. Use o gelo por 20 minutos e depois espere pelo menos 40 minutos antes de aplicar gelo novamente. Deve ser utilizado apenas na fase inflamatória (os primeiros 2-3dias)
  • Analgésicos e anti-inflamatórios não-esteróides poderão ser receitados pelo médico para controlar o processo inflamatório e aliviar as dores.

O tratamento em fisioterapia é fundamental para a boa recuperação do tendão, que pode demorar até 6 meses numa lesão crónica, e deve envolver:
  • Alongamentos suaves dos músculos adutores são muito importantes e deverão ser repetidos 3 a 5 vezes por dia. Poderão ser iniciados após o 2º dia, desde que não provoquem dor.
  • Exercícios de fortalecimento muscular progressivo do quadricípite, abdutores e principalmente dos adutores. Iniciar entre o 3º e o 5º dia com exercícios estáticos, e, desde que não cause dor, progredir para exercícios dinâmicos.
  • A aplicação de calor antes dos exercícios para aumentar a irrigação sanguínea e de gelo no final para prevenir sinais inflamatórios.
  • Massagem transversal profunda em dias alternados poderá estimular a reorganização das fibras do tendão.
  • Na última fase do tratamento deve ser introduzida a reeducação do gesto desportivo. Assim que não tiver dor ou inchaço e tiver uma amplitude de movimento e força iguais em ambos os membros inferiores poderá reiniciar a sua actividade. É natural que nos primeiros dias sinta desconforto na virilha no final do treino/trabalho, no entanto, se os sintomas não tiverem passado no dia seguinte, deve reduzir a intensidade da actividade.
  • Depois da reintrodução à actividade alguns alongamentos e exercícios de fortalecimento devem ser mantidos para prevenir recidivas.

Tratamento Cirúrgico
É tido como um último recurso, em parte por existir pouca evidência convincente para apoiar o uso da cirurgia em vez do tratamento conservador. A cirurgia consiste na remoção da área afectada do tendão, ou na execução de pequenos cortes nas laterais do tendão, com o intuito de diminuir a tensão sobre o seu terço médio.
Um programa intensivo de reabilitação é normalmente recomendado após a cirurgia. A utilização de exercícios de fortalecimento muscular excêntrico pode ajudar a estimular a recuperação do tendão.

Exercícios terapêuticos para as tendinopatias nos adutores da coxa

Os seguintes exercícios são geralmente prescritos durante a reabilitação de uma tendinopatia dos adutores da coxa. Deverão ser realizados 2 a 3 vezes por dia e apenas na condição de não causarem ou aumentarem os sintomas.

Alongamento dos adutores da coxa
Em pé, com as pernas afastadas, empurre a bacia para o lado contrário ao músculo a alongar, de seguida, com as costas alinhadas, incline ligeiramente o tronco à frente até sentir o alongamento na região interna da coxa e virilha. Mantenha a posição durante 20 segundos. Alivie lentamente a pressão.
Repita entre 5 a 10 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.



 

Fortalecimento dos adutores da coxa
Em pé, apoiado numa cadeira, com um elástico no tornozelo da perna a fortalecer. Com a perna esticada, puxe o pé para junto do outro. Regresse lentamente à posição inicial.
Repita entre 8 e 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.




Antes de iniciar estes exercícios você deve sempre aconselhar-se com o seu fisioterapeuta.

Cetin C, Sekir U, Yildiz Y, Aydin T, Ors F, Kalyon TA. Chronic groin pain in an amateur soccer player. Br J Sports Med. 2004 Apr;38(2):223-4.
Holmich P, Larsen K, Krogsgaard K, Gluud C. Exercise program for prevention of groin pain in football players: a cluster-randomized trial. Scand J Med Sci Sports. 2010 Dec;20(6):814-21.

1 comentário:

brunoparis disse...

estou a sofrer com isto, mal consigo andar. Estou a andar inclinado para o lado oposto.

Enviar um comentário