sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Entorse do tornozelo

Uma entorse do tornozelo é uma rotura parcial ou total dos ligamentos (tecido fibroso resistente que mantém as articulações na posição correcta) no tornozelo.
A entorse do tornozelo é uma lesão comum, sendo que mais de 85% das entorses são em inversão (o tornozelo roda para fora, fazendo com que a planta do pé fique virada para o outro pé). Neste caso o ligamento mais afectado é o ligamento peroneo-astragalino anterior, que se localiza na face lateral do tornozelo. Um mecanismo menos comum de lesão envolve um movimento de eversão forte (o tornozelo roda para dentro) lesionando o complexo ligamentar deltóideo (na face medial do tornozelo).
Quanto à gravidade as entorses podem variar do Grau I ao Grau III.
  • Grau I (leve). Também chamada de distensão. É um estiramento que causa apenas lesões microscópicas nos ligamentos.
  • Grau II (moderada). Um estiramento mais severo, que causa uma ruptura parcial dos ligamentos.
  • Grau III (grave). Os ligamentos são completamente rasgados por um estiramento brusco, geralmente durante um acto desportivo ou num acidente.


Ligamentos frouxos, músculos fracos, lesões dos nervos da perna, entorses anteriores, certos tipos de calçado (como os sapatos de salto alto e estreito) e certas formas de caminhar, tendem a provocar a rotação do pé para fora, aumentando o risco de uma entorse.
-->

Sinais e sintomas/ Diagnóstico

  • Dor ou desconforto localizado na face lateral, imediatamente à frente do tornozelo
  • Inchaço e calor na face lateral, imediatamente à frente do tornozelo
  • Hematoma na face lateral, imediatamente à frente do tornozelo, que pode alastrar ao resto do dorso do pé e dedos, dependendo da gravidade da lesão
  • Dificuldade em caminhar/colocar o pé no chão
  • Padrão de marcha característico


Estes sintomas podem variar em intensidade, dependendo da gravidade da entorse. Às vezes, a dor e o inchaço estão ausentes em pessoas com antecedentes de entorse. Em vez disso, pode simplesmente sentir o tornozelo instável quando anda. Ainda assim o tratamento é crucial.
O diagnóstico é baseado nos sintomas e na avaliação clínica. Geralmente nas entorses mais graves, em que o paciente tem dificuldade em apoiar o pé no chão, os médicos utilizam raio-X para descartar fracturas do tornozelo. A RM e a TC podem ser utilizadas em desportistas de alto nível com dor persistente.
-->

Tratamento

                O tratamento de uma entorse numa 1ª fase (até 48-72h após a lesão), e desde que não haja lesão/luxação óssea associada, consiste e controlar os sinais inflamatórios, através de:
  • Descanso: Evite caminhar ou estar muito tempo de pé. Se tiver de o fazer utilize canadianas. Andar a pé pode significar um agravamento da sua lesão.
  • Gelo: Aplique uma compressa de gelo na área lesada, colocando uma toalha fina entre o gelo e a pele. Use o gelo por 20 minutos e depois espere pelo menos 40 minutos antes de aplicar gelo novamente.
  • Elevação: O pé deve ser elevado um pouco acima do nível do seu coração para reduzir o inchaço.
  • Compressão: um elástico pode ser usado para controlar o inchaço.
  • Também pode ser aconselhado pelo médico o uso de anti-inflamatórios não esteróides, como o ibuprofeno, para diminuir a dor e controlar a inflamação.


Nas entorses de grau I, após este período de 3 dias, o paciente já se deve apresentar assintomático ou com dor residual. Se não forem visíveis sinais de edema deve ser feita uma ligadura com tape e marcada uma consulta para daí a 10 dias, para reavaliação do processo de cicatrização dos ligamentos e possível prescrição de exercícios terapêuticos para realizar em casa de forma a prevenir novas lesões.
Nas entorses de grau II e III, a fisioterapia demonstrou ser mais eficiente do que a imobilização. Neste caso o tratamento divide-se em 3 fases:

Fase 2 ou fase de Proliferação (4-10 dias)
Usar o pé apenas dentro do limite do confortável/sem dor
Canadianas durante a 1ª semana
Movimentos de flexão do pé e dedos, estabilização activa e coordenação motora
Após a 1ª semana ir introduzindo períodos de treino sem canadiana caminhando lentamente, apoiar 1º o calcanhar depois o resto do pé.
Ligadura com tape pode ser realizada assim que o edema tiver diminuído.

Fase 3 ou fase de remodelação precoce (11 -21 dias)
Reforço muscular activo, trabalho de estabilização dinâmica e propriocepção.
Treino de equilíbrio e coordenação (em actividades que envolvam esforço equivalente em ambos os membros inferiores)
Pode utilizar-se um pé elástico para dar suporte enquanto o paciente não for capaz de realizar os exercícios com segurança.
Introduzir caminhadas, escadas e corrida progressivamente.
Devem ser dados conselhos sobre o calçado mais adequado, inclusive para a prática desportiva, e possível uso de palmilhas.

Fase 4 ou fase de remodelação (reintrodução ao trabalho/prática desportiva)
Exercícios funcionais, relacionados com as competências necessárias durante as actividades da vida diária (gesto específico do trabalho/desporto praticado)
Seguir um plano de exercícios terapêuticos efectuado em casa ao mesmo tempo que retorna à actividade.
Para entorses mais graves, em que haja ruptura total de ligamentos associada a luxação/instabilidade articular o médico pode optar por realizar ou uma redução fechada, ou aberta com reconstrução dos ligamentos (mais comum em pacientes com lesões severas ou com profissões de grande exigência física) seguida de imobilização entre 6 a 8 semanas.

  • Pode ver aqui outras guidelines de tratamento para entorses do tornozelo.

Exercícios terapêuticos para entorses do tornozelo

Os seguintes exercícios são geralmente prescritos durante a reabilitação de uma entorse do tornozelo. Deverão ser realizados 2 a 3 vezes por dia e apenas na condição de não causarem ou aumentarem os sintomas.



Flexão/extensão do pé
Deitado, com o calcanhar fora da cama, puxe a ponta do pé e dedos para si, depois empurre pé e dedos para baixo.
Repita entre 15 e 30 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma. 




Eversão resistida do pé
Puxe a ponta do pé para si e rode a planta do pé para fora. Retorne lentamente à posição inicial.
Repita entre 8 e 12 vezes, desde que não desperte os sintomas.

Propriocepção do tornozelo
Em pé, apoiado na perna lesada e com esse joelho ligeiramente dobrado. Tente manter o equilíbrio sem apoiar os braços e olhando em frente. Mantenha esta posição entre 15 a 30 segundos.
Repita entre 5 a 10 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.





-->
Antes de iniciar estes exercícios você deve sempre aconselhar-se com o seu fisioterapeuta.

Boyce SH, Quigley MA, Campbell S. Management of ankle sprains: a randomised controlled trial of the treatment of inversion injuries using an elastic support bandage or an Aircast ankle brace. Br J Sports Med. 2005 Feb;39(2):91-6.
Kemler E, van de Port I, Backx F, van Dijk CN. A systematic review on the treatment of acute ankle sprain: brace versus other functional treatment types. Sports Med. 2011 Mar 1;41(3):185-97.
Fong DT, Hong Y, Chan LK, Yung PS, Chan KM. A systematic review on ankle injury and ankle sprain in sports. Sports Med. 2007;37(1):73-94.
Van der Wees PJ, Lenssen AF, Hendriks EJ, Stomp DJ, Dekker J, de Bie RA. Effectiveness of exercise therapy and manual mobilisation in ankle sprain and functional instability: a systematic review. Aust J Physiother. 2006;52(1):27-37.

16 comentários:

Angela Santos disse...

Excelente matéria. Muito Obrigada! Parabéns!

Isabel Faria disse...

Ajudou me imenso a informação, grata! Obrigada!

Isabel Faria disse...

Ajudou me imenso a V informação, grata! obrigada!

Daniel Rodrigues disse...

Muito bom !

Ricardo disse...

Rompi os ligamentos do tornozelo de acordo com o diagnóstico Grau II, estou desde o dia 14/10, 10 dias imobilizado e com o pé para cima, após este período comprei uma bota e pude voltar a andar, hoje estou conseguindo caminhar sem muletas, minha dúvida é quando posso iniciar a fisioterapia para voltar a praticar esportes ?

João Maia disse...

Caro Ricardo,

Idealmente a decisão deverá ser tomada com conhecimento do médico que o assistiu em primeiro lugar. Mas à partida não terá qualquer entrave para começar a fisioterapia, quanto mais cedo mobilizar e ganhar força, melhor será o prognóstico.
Atentamente
João Maia

Unknown disse...

Boa noite gostaria de tirar uma duvida rompi um ligamento 3 grau rompimento completo rompi 03 de novembro e pus tala imobilizadora por uma semana depois retirei e fiquei só com tornozeleira voltei ao medico e coloquei aquela botinha imobilizadora estou usando ela já faz 6 dias o medico pediu pra mim ficar por mais trinta dias para cicatrizar a lesão e depois começar a fisio,esta bem inchado ainda
Gostaria de saber quando faço gelo e bom exercitar o pé para cima e para baixo ou e bom deixar esse tempo ele sem mexer,quando tiro a bota consigo andar com o apoio das muletas mas sem forcar por ainda dói um pouco
Fico no aguardo da resposta

João Maia disse...

Olá,

Nessa fase idealmente deve fazer 15 a 20 minutos de gelo de 2 em 2 horas. Sim, pode mobilizar o pé sem carga, deve fazer os movimentos de forma lenta e progressiva.
Espero ter ajudado. Atenciosamente

João Maia

Davi Borges disse...

Olá Doutor João, excelente matéria. Tive uma torção no pé no lado de fora, fiz o tratamento com gelo e imobilização e melhorou, mas ficou uma dor residual que já dura a 1 mês. A fisioterapia pode melhorar por completo?

MrClyp05 disse...

Doutor João Maiá sofre uma entorse de grau 2 no dia 23 de novembro de 2014 sou atleta amador imobilizei por 7 dias faço aplicação de gelo e massagens com gel de arnica, já fiz mais de 50 sessões de fisio mais ainda sinto muitas dores e tenho limitações de movimentos o tornozelo lesionado estrala muito e andando normal geralmente sinto fisgadas muito fortes e também sinto como se estivesse solto o tornozelo e sem equilíbrio adequado.

Anonimo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anonimo disse...

Doutor tive um entorse no tornozelo no final de janeiro. Em fevereiro começei a fazer fisioterapia todos os dias até final de abril. Não consigo fletir bem o pé na sua totalidade disseram que é o osso que não roda todo por ter andado sempre de saltos altos. O pé já não me dói mas continua a inchar e não é só no final do dia e a perna na massagem me doi porque está inchada (retenção de liquidos?). Gostaria de um conselho seu sobre o porquê de ele continuar a inchar e a perna estar assim. Obrigada.

Unknown disse...

Ótima matéria.
Queria tirar uma dúvida.
Rompi 2 ligamentos, 1 parcial é outro grau 3. Já estou a 5 semanas imobilizada com robofut, e desde a última semana consigo andar sem muletas e até sem o robofut. Será que ja posso iniciar as fisioterapia, pois o médico pediu para ficar imobilizada 6 semanas (45 dias)

Raphael seixas disse...

Torci tornozelo faz 4 semanas na hr inchou e ficou pouquinho roxo fui no medico ele fez raio-x nao teve nenhuma fratura so falou isso to andando normal no meio dia-a-dia trabalhando mais ainda sinto uma leve dor quando ficou na Ponta do pé ou quando tento correr não consigo doi será q rompi o ligamento? Q grau é se for ? Quanto tempo pra recuperar totalmente os movimentos

Raphael seixas disse...

Torci tornozelo faz 4 semanas na hr inchou e ficou pouquinho roxo fui no medico ele fez raio-x nao teve nenhuma fratura so falou isso to andando normal no meio dia-a-dia trabalhando mais ainda sinto uma leve dor quando ficou na Ponta do pé ou quando tento correr não consigo doi será q rompi o ligamento? Q grau é se for ? Quanto tempo pra recuperar totalmente os movimentos

Christiano Santos disse...

Raphael Seixas... Vc teve fratura sim... Eu tive agora nesse mês uma entorse no tornozelo com rupturas parciais e total dos ligamentos do tornozelo. Mas tive também uma pequena fratura que não eh perceptível através de Raio X. Apenas com a RM que ela foi detectada... E eh exatamente​ esse sintoma que vc descreveu que eu sentia... "Dor atrás do tornozelo quando fico na ponta do pé"

Christiano teixeira

Enviar um comentário