sexta-feira, 26 de Outubro de 2012

Tenossinovite de De Quervain

A tenossinovite de De Quervain ocorre quando os tendões que vão para o polegar ficam comprimidos e inflamados junto ao seu canal de passagem, na região lateral do punho.
Os tendões são estruturas semelhantes a cabos resistentes, que ligam o músculo ao osso. Alguns tendões são revestidos por uma camada fina de tecido mole e esponjoso, chamada bainha sinovial. Esta bainha existe para diminuir o atrito, permitindo que os tendões deslizem mais facilmente através passagens estreitas.
No caso do polegar, dois tendões são bem visíveis, formando uma concavidade (tabaqueira anatómica) quando colocado o dedo em posição de pedir “boleia”. Estes tendões são o abdutor longo do polegar e o extensor curto do polegar, ambos possuem bainha sinovial e ambos estão “fixos” pelo retináculo extensor sobrejacente.
A tenossinovite de De Quervain é causada pelo espessamento destes tendões, devido a um traumatismo agudo à fricção repetitiva contra o retináculo extensor. Este espessamento leva a um processo inflamatório, provocando o inchaço do tendão e da bainha sinovial, o que muda a forma do conjunto e limita o espaço para o seu movimento.
Esta condição é frequentemente observada em desportos com raquete, mas também é associada muitas vezes à gravidez. Poderá ser encontrada na artrite inflamatória, tal como com a artrite reumatóide. A tenosinovite de De Quervain normalmente é mais comum em mulheres de meia-idade.
-->

Sinais e sintomas/ Diagnóstico

  • Dor ao longo do polegar. Pode aparecer gradualmente ou subitamente.
  • Progressivamente a dor será sentida no punho e pode irradiar até ao antebraço.
  • A dor geralmente piora com a actividade da mão e do polegar, principalmente na preensão e torção do punho.
  • Um ligeiro inchaço pode ser observado na face radial da base do polegar.
  • Sensação de que o polegar está “preso” e dificuldade em move-lo livremente.
  • Pode ser sentida ligeira dormência na parte de trás do polegar e dedo indicador. Isso acontece quando o nervo por cima da bainha do tendão fica irritado.

Uma boa avaliação, incluindo uma história clínica e exame atento do punho, mão e polegar, incluindo à sua função motora e nervosa, é geralmente suficiente para o diagnóstico de uma tenossinovite de De Quervain. Uma ecografia poderá ser pedida para confirmar o diagnóstico. Um raio-X poderá ser pedido caso haja limitação articular do punho ou polegar.
Veja aqui um estudo de caso sobre diagnóstico diferencial numa suspeita de tenossinovite de De Quervain
-->

Tratamento

O primeiro objectivo no tratamento da tenossinovite de De Quervain é aliviar a dor causada pela irritação e inchaço do tendão. De inicio a abordagem preferencial será com tratamento conservador, através de:
  • Descanso: Evitar actividades que causam dor e inchaço. Muitas vezes o repouso selectivo de algumas actividades mais forçadas é suficiente para que os sintomas desapareçam.
  • Gelo: Aplique uma compressa de gelo na área lesada, colocando uma toalha fina entre o gelo e a pele. Use o gelo por 20 minutos e depois espere pelo menos 40 minutos antes de aplicar gelo novamente.
  • Exercícios de alongamento suave dos tendões afectados
  • Órteses ou talas: Proporcionam a posição neutra do polegar e do punho e permitem que o tendão recupere.
  • Analgésicos e anti-inflamatórios: analgésicos como o paracetamol são geralmente úteis. Ocasionalmente, analgésicos mais fortes podem ser necessários. Os anti-inflamatórios, como o ibuprofeno ou o diclofenaco, poderão ser necessários para controlar a inflamação.
  • As injecções de cortico-esteróides proporcionam alívio dos sintomas, no entanto estes tendem a voltar entre 3-6 meses após a injecção.

Quando o tratamento conservador se revela ineficaz, a cirurgia é uma opção. Uma pequena incisão irá cortar o retináculo extensor aliviando a pressão sobre os tendões. Este procedimento é feito em ambulatório, sob anestesia local e geralmente resolve o problema na totalidade. Você não será capaz de usar a mão durante poucos dias e terá de esperar algumas semanas após a operação para voltar ao trabalho.
Geralmente durante esse período os pacientes deverão seguir um plano de exercícios terapêuticos elaborado por um fisioterapeuta de forma a prevenir aderências durante a cicatrização e garantir a mobilidade completa.

Exercícios terapêuticos para a tendinite de DeQuervain

Os seguintes exercícios são geralmente prescritos durante a reabilitação de uma tendinite de DeQuervain. Deverão ser realizados 2 a 3 vezes por dia e apenas na condição de não causarem ou aumentarem os sintomas.


Alongamento dos extensores do punho
Em pé ou sentado, estenda o braço para a frente alinhado com o ombro, com a palma da mão virada para si. Com a outra mão puxe os dedos em direcção a si. Mantenha a posição durante 20 segundos.
Repita entre 5 e 10 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.



 

Fortalecimento dos extensores radiais do punho
Com o ombro alinhado com o tronco, cotovelo a 90o e polegar virado para cima. Fixe o punho com a outra mão e puxe o elástico para cima e em direcção a si. Apenas a mão se deve mover.
Repita entre 8 e 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.




Propriocepção do punho
Agarrando uma bola na mão, faça movimentos circulares com o punho enquanto pressiona a bola.
Repita entre 20 e 30 movimentos, desde que não desperte nenhum sintoma.



Antes de iniciar estes exercícios você deve sempre aconselhar-se com o seu fisioterapeuta.

1 comentário:

Weverton disse...

Gostaria de saber porque a mão fica muito inchada e com muita dores no local da cirurgia, quais são os procedimentos após a cirurgia?

Enviar um comentário