quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Esclerose múltipla

No sistema nervoso milhares de fibras nervosas transmitem minúsculos impulsos eléctricos (mensagens) entre as diferentes partes do cérebro e da medula espinhal. 

Cada fibra do nervo no cérebro e medula espinhal está rodeada por uma capa protectora composta por uma substância chamada mielina. 

A bainha de mielina actua como o isolamento em torno de um fio eléctrico, e é necessária para que os impulsos eléctricos viajem de forma correcta ao longo da fibra nervosa. Estas fibras saem do cérebro e medula espinhal e são responsáveis por receber mensagens de e para os músculos, pele, órgãos e tecidos.
A esclerose múltipla (EM) é uma doença inflamatória auto-imune que acomete os axónios mielinizados no sistema nervoso central (SNC), destruindo a bainha de mielina do axónio.
Pensa-se que na EM as células do sistema imunológico, que normalmente atacam as bactérias, vírus, ataquem parte do corpo. Quando a doença está activa, as partes do sistema imunológico, principalmente as células chamadas de células T, a atacam a bainha de mielina que envolve as fibras nervosas do cérebro e da medula espinhal. Isto leva a pequenas áreas de inflamação. O factor que despoleta esta reacção não é conhecido.
A inflamação em torno da bainha de mielina impede as fibras nervosas de funcionar adequadamente e os sintomas aparecem. Quando a inflamação desaparece, a bainha de mielina pode recuperar, e as fibras nervosas começam a funcionar novamente. No entanto, a inflamação, ou ataques repetidos de inflamação, pode deixar pequenas cicatrizes (esclerose) que podem danificar permanentemente as fibras nervosas. Em pacientes com EM, muitas (múltiplos) pequenas áreas de cicatrização (esclerose) se vão desenvolvendo no cérebro e medula espinhal. Uma vez que a doença é desencadeada, ela tende a seguir um dos seguintes quatro padrões:
Forma recorrente-remitente: Quase 9 em cada 10 pessoas com EM têm a forma comum remitente-recorrente da doença. O paciente apresenta períodos activos da doença, quando os sintomas ocorrem, podendo durar dias ou meses, mas geralmente duram 2-6 semanas. De seguida dá-se um período de remissão, em que os sintomas desaparecem ou diminuem para um nível estável.
O tipo e número de sintomas que ocorrem durante um período activo variam de pessoa para pessoa, dependendo de onde o dano da mielina ocorre. A frequência de recidivas também varia. Uma ou duas recaídas a cada dois anos é bastante típico. Eventualmente, muitas vezes depois de 5-15 anos, alguns sintomas geralmente tornam-se permanentes. A condição normalmente, em seguida, torna-se lentamente pior ao longo do tempo. Isso é chamado de esclerose múltipla secundária progressiva.
Forma secundária progressiva: Há um constante agravamento dos sintomas (com ou sem recidivas) nesta forma de EM.
Forma progressiva primária: Em cerca de 1 em cada 10 pessoas com esclerose múltipla, não há nenhum percurso de inicial com uma forma recorrente-remitente. Os sintomas tornam-se progressivamente piores desde o início, e não recuperam.
Benigna: Em menos de 1 em cada 10 pessoas com EM, existem apenas algumas recaídas durante a vida, e sem sintomas permanentes. Esta é a forma menos grave da doença.
-->

Sinais e sintomas/ Diagnóstico

A EM provoca uma ampla variedade de sintomas. Muitas pessoas experimentam apenas alguns sintomas e é muito improvável que uma pessoa desenvolva todos os sintomas descritos aqui.
Os sintomas mais comuns incluem:
Problemas visuais: O primeiro sintoma de EM para cerca de um em cada quatro pessoas com a doença é um distúrbio de visão. Ocorre neurite óptica, ou seja, inflamação (inchaço) do nervo óptico. Isso pode causar dor atrás do olho e também uma certa perda de sua visão. Isto normalmente afecta apenas um olho. Outros sintomas oculares podem incluir visão enublada ou com visão dupla.
Espasmos musculares e espasticidade: Tremores ou espasmos de alguns dos seus músculos podem ocorrer. Isso geralmente é devido a danos nos nervos que enervam esses músculos. Alguns músculos podem contrair firmemente, tornando-se duros e difíceis de usar. Isto é chamado de espasticidade.
Dor: Existem dois tipos principais de dor que pode ocorrer em pessoas com esclerose múltipla: a dor neuropática, que ocorre devido a uma lesão nas fibras nervosas. Isso pode causar pontadas, sensação de queimadura ou aumento de sensibilidade da pele; dor musculoesquelética, que pode ocorrer em qualquer dos músculos que são afectados por espasmos ou espasticidade.
Fadiga: Extremo cansaço ou fadiga é um dos sintomas mais comuns da EM. Esse cansaço é mais do que o cansaço que seria de esperar após o exercício ou esforço. Essa fadiga pode até afectar o seu equilíbrio e concentração.
Problemas emocionais e depressão: pode achar que ri ou chora com mais facilidade, mesmo sem motivo. Além disso, muitas pessoas com EM têm sintomas de depressão ou ansiedade em algum momento.
Quase todos os sintomas que ocorrem num primeiro episódio activo de EM também podem ocorrer devido a outras doenças. Por exemplo, pode ter um episódio de dormência na perna, ou embaciamento da visão durante algumas semanas, que logo se resolve. Pode ter sido a primeira recaída de EM, ou apenas uma doença pontual, que não EM.
Portanto, um diagnóstico concreto de EM não é realizado muitas vezes até dois ou três períodos activos ocorrerem. Na maioria dos casos, nenhum teste pode definitivamente provar que você tem a doença após um primeiro episódio de sintomas ou em fase muito precoce da doença. No entanto, alguns exames são úteis e podem indicar que a EM é uma causa possível ou provável dos sintomas. A ressonância magnética do cérebro é o teste mais útil.
-->

Tratamento

Actualmente, embora não haja cura para a esclerose múltipla, certos sintomas de EM podem muitas vezes ser diminuídos.
Medicação imunomoduladora. Inclui duas formas de interferão beta-1a, uma forma de interferão beta-1b, acetato de glatiramer e natalizumab. Estes medicamentos não curam a EM, nem são adequados a todos os doentes. O natalizumab é um tratamento relativamente novo para pacientes com EM mais avançado e muito activa.
Anti-inflamatórios esteróides: são frequentemente prescritos nos períodos activos da doença. Uma alta dose é normalmente dada por alguns dias. A toma de anti-inflamatórios esteróides geralmente encurta a duração dos períodos activos. No entanto, os esteróides não afectam a progressão contínua da doença.
Reabilitação: O objectivo da reabilitação é melhorar e manter a função, proporcionar educação e tratamento destinado a promover a boa saúde e condicionamento geral, reduzir a fadiga, e ajudá-lo a sentir e funcionar no seu melhor em casa e no trabalho. A reabilitação inclui muitas vezes fisioterapia, terapia ocupacional, terapia da fala, e psicologia (Veja aqui mais exercícios).

Exercícios terapêuticos para a esclerose múltipla

Os seguintes exercícios podem ser prescritos durante o tratamento de doentes com esclerose múltipla, dependendo da gravidade da lesão e do estado evolutivo do paciente. Deverão ser realizados 2 a 3 vezes por dia e apenas na condição de não causarem ou aumentarem os sintomas.



Fortalecimento dos abdominais
Deitado, com o fundo das costas bem apoiado e as mãos ao longo do corpo. Levante o tronco apenas até meio da coluna, mantendo o olhar para o alto. Retorne lentamente à posição inicial.
Repita entre 8 e 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.




 Fortalecimento dos extensores da anca
Deitado, com os braços ao longo do corpo, eleve a bacia até coxas e costas ficarem alinhadas no mesmo plano. Retorne lentamente à posição inicial.
Repita entre 8 e 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.





Flexão/extensão da coluna vertebral
De joelhos, apoiado nas palmas das mãos, que estão alinhadas com os ombros. Inspire fundo, enquanto deixa a coluna arquear em direcção ao chão e roda a cabeça para a frente. Expire completamente, enquanto contrai os abdominais e enrola a coluna e pescoço.
Repita entre 8 a 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.



Antes de iniciar estes exercícios você deve sempre aconselhar-se com o seu fisioterapeuta.
-->

Sem comentários:

Enviar um comentário